Artigos e Informativos






O CPT Cursos Presenciais garante a você 100% de segurança e confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Conceitos Básicos sobre Nutrição Animal

No processo de avaliação da composição química da forrageira, para saber sobre a sua qualidade, são analisadas as seguintes frações da amostra: matéria seca, proteína bruta, fibra em detergente neutro, matéria mineral, fibra em detergente ácido e lignina.

O teor de matéria seca é importante, pois quando ele é baixo, pode limitar o consumo de alimento. Quando se utiliza o pastejo como fonte exclusiva de alimento, seja em pastejo rotativo ou contínuo, é preciso ficar atento ao teor de matéria seca da forragem. O fornecimento de concentrado para vacas de maior produção (acima de 12Kg de leite/vaca/dia) pode corrigir esse problema, visto que o concentrado usualmente tem em torno de 88% de matéria seca.

O teor de proteína bruta diminui com o aumento da idade da planta. Forrageiras tropicais , com 30 dias de idade adubadas com fontes de nitrogênio, apresentam em torno de 14% a 16% de proteina bruta, em amostras obtidas de parte da planta que o animal seleciona em condições de pastejo. Em condições de capim verde picado (planta toda), o teor de proteina cai para 10% a 12% na base da matéria seca.

Forrageiras tropicais com menos de 12% de proteína bruta na base da matéria seca, em condiçõs de pastejo, limitam a produção de leite. Não se recomenda menos que 12% de PB na dieta para vacas m lactação. Sendo que a dieta pode ser apenas pasto ou pasto mais concentrado, ou, ainda, pasto mais volumoso (silagem, feno) e mais concentrado.

Usualmente são necessários 85g de PB/1Kg de leite a 4% de gordura. Sendo 2 Kg de leite para cada 1Kg de concentrado, então para cada 1 Kg de concentrado deve ter 170g de PB. Considerando 85 a 90% de eficiência na utilização da PB pela vaca. O concentrado deve conter 19 a 20% de PB na base da matéria seca.

As necessidades de energia também devem ser balanceadas no concentrado. Vamos considerar as necessidades de energia, utilizando os nutrientes digestíveis totais (NDT) das tabelas do NRC. Se considerarmos que são necessários 320g de NDT/1Kg de leite com 4% de gordura. Sendo 1Kg de concentrado para 2 Kg de leite, seria necessário 640g de NDT/1Kg de concentrado. Com eficiência de 80% a 85% precisamos de um concentrado com 74% a 77% de NDT na base da matéria seca.

O fator que determina o potencial de produção de leite é a qualidade da forragem e a quantidade disponível por vaca/dia. É preciso ter em mente que uma vaca de 500kg produzindo 15kg de leite deve consumir em torno de 100Kg de pasto (rebrota) por dia. Vacas com estágio de lactação mais avançado não vão ingerir 100Kg de pasto dia, mas podem ingerir 60 a 70 Kg/dia. Em consumo na matéria seca do peso vivo da vaca, seria 3% do peso vivo. Ou seja, vacas de 500Kg têm condições de ingerir 15Kg de matéria seca por dia.

Fonte: DERESZ, Fermino; MENDONÇA, Patricia Tristão "Produção de leite a pasto". Viçosa-MG, CPT, 2008

Adaptação:   Equipe CPT Cursos Presenciais

Autor(a): Equipe CPT Cursos Presenciais

Data: 25/03/2010


Quero receber promoções
  • imprimir
  • contato
  • twitter
  • facebook
  • orkut

Artigos relacionados!
Gostaria de receber informações sobre nossos cursos? Preencha os campos abaixo:





Confirmação

O CPT Cursos Presenciais garante a você total segurança e confidencialidade em seus dados pessoais.
Preencha os campos abaixo para receber informações completas de promoções e descontos.





Confirmação

O CPT Cursos Presenciais garante a você total segurança e confidencialidade em seus dados pessoais.
  • twitter
  • facebook
  • google+
  • You Tube
  • Linkedin
  • Bradesco
  • Master Card
  • Visa
  • Itaú
  • Site seguro