Artigos e Informativos






O CPT Cursos Presenciais garante a você 100% de segurança e confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Vaca geneticamente modificada produz leite com menos probabilidade de causar reações alérgicas

Cerca de 3% das crianças são alérgicas a leite de vaca em seu primeiro ano de vida. A beta-lactoglobulina é uma proteína do soro do leite que pode causar alergia em algumas pessoas.

 Na Nova Zelândia cientistas desenvolveram uma vaca geneticamente modificada que produz um leite com menos probabilidade de causar reações alérgicas, pois o seu leite é sem beta-lactoglobulina.

O estudo foi considerado um marco por cientistas, mas alguns grupos de ativistas afirmam que ele levanta preocupações éticas. Há grandes diferenças entre o leite materno e o leite de vaca, entre elas a beta-lactoglobulina, que está presente no leite de vaca, mas não no leite materno.

Os cientistas da AgResearch e da Universidade Waikato, na Nova Zelândia, adicionaram material genético extra para interferir no processo, usando uma técnica chamada de RNA de interferência.

A bezerra resultante nasceu sem rabo, mas os pesquisadores dizem que é "improvável" que isso se deva à modificação genética. Ela ainda não ficou prenhe, nem começou a produzir leite normalmente, então os cientistas usaram hormônios para apressar o início da produção de leite.

Em um artigo na publicação científica Proceedings of the National Academy of Sciences, os pesquisadores disseram: "Todas as amostras de leite da bezerra transgênica foram desprovidas de beta-lactoglobulina". Eles concluíram que a técnica é uma "ferramenta eficaz" para modificar animais de pecuária.

O professor Keith Campbell, da Universidade de Nottingham, que integrou a equipe que clonou a ovelha Dolly, disse que o teste será quanto tempo à modificação genética vai durar.

Campbell disse que os pesquisadores precisariam mostrar que o efeito durou por toda a vida de cada vaca e foi transmitido por várias gerações. "É muito interessante e é outra maneira de mostrar que a tecnologia pode avançar com resultados potencialmente úteis" e complementou: "Em minha opinião, o risco é zero. Se fosse tóxico, o animal estaria morto”.

Bruce Whitelaw, professor de biotecnologia animal na Universidade de Edimburgo, disse: "Isso é notável e representa uma das poucas histórias de sucesso de RNA de interferência em mamíferos". Acrescentou dizendo: "O tempo dirá o quão abrangente a aplicação do RNA de interferência será em animais de pecuária geneticamente modificada – mas este estudo certamente é um marco nesse campo”.

Pete Riley, do grupo GM Freeze, disse: “Antes que isso vá adiante, eles precisam estabelecer qual foi a causa do defeito no bezerro, já que há uma possível ligação com o fato de ser geneticamente modificado". Riley disse que a compreensão sobre o papel dos genes e como eles interagem ainda é muito frágil e que ainda é necessário desenvolver mais pesquisas básicas. "Nós podemos aprender muito ao olhar para organismos menos complicados que o gado".

Fonte: Ultimo Segundo

Adaptação:   Equipe CPT Cursos Presenciais

Autor(a): Silvana - CPT Cursos Presenciais

Data: 03/10/2012


Quero receber promoções
  • imprimir
  • contato
  • twitter
  • facebook
  • orkut

Artigos relacionados!
Gostaria de receber informações sobre nossos cursos? Preencha os campos abaixo:





Confirmação

O CPT Cursos Presenciais garante a você total segurança e confidencialidade em seus dados pessoais.
Preencha os campos abaixo para receber informações completas de promoções e descontos.





Confirmação

O CPT Cursos Presenciais garante a você total segurança e confidencialidade em seus dados pessoais.
  • twitter
  • facebook
  • google+
  • You Tube
  • Linkedin
  • Bradesco
  • Master Card
  • Visa
  • Itaú
  • Site seguro