Artigos e Informativos






O CPT Cursos Presenciais garante a você 100% de segurança e confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Você sabe o que é mormo em equinos?

Recentemente, com as confirmações de casos de Mormo no estado de Minas Gerais, há a crescente preocupação entre os proprietários em relação à Sanidade Equina.

Mormo é uma doença infecto-contagiosa que acomete equinos, asininos e muares, podendo também afetar carnívoros, eventualmente pequenos ruminantes e até mesmo o homem, tornando-se uma zoonose. Conhecida também como muermo, lamparão e vulgarmente como “catarro bravo” ou “catarro de burro”. Manifesta-se por meio de febre, tosse, corrimento nasal viscoso, presença de nódulos subcutâneos nas mucosas nasais, nos pulmões e gânglios linfáticos.

As lesões nodulares evoluem para ulceras que após a cicatrização formam lesões em forma de estrelas. Estas lesões ocorrem com maior freqüência na fase crônica da doença, que é caracterizada por três formas de manifestação clinica: a cutânea, linfática e respiratória, porem estas não são distintas, podendo o mesmo animal apresentar todas simultaneamente.

Causada pela bactéria Burkholderia mallei, está relacionada a introdução de animais doentes, sistema de criação e manejo higiênico-sanitário incorretos. A idade possui fator relevante ao aparecimento da forma crônica da infecção natural, apresentando uma maior prevalência em animais idosos e debilitados pelas más condições de manejo.

A infecção ocorre pela ingestão de água e alimentos contaminados, inalação da bactéria e contato direto. Grandes concentrações de eqüídeos estão associadas à disseminação da bactéria (doença de estábulo)

A sintomatologia pode variar entre os animais de um mesmo rebanho, pois nem todos os acometidos manifestam os sinais clínicos clássicos da doença.

O diagnóstico pode ser realizado por meio de exame Microbiológico, onde há o isolamento e a identificação bacteriana, inoculação em animais de laboratório (Prova de Strauss), Maleinização e sorológico (métodos oficiais), molecular e exame anátomo-histopatológico.

Por não existir vacinas e forma de tratamento eficaz contra o mormo, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) realiza como medidas de profilaxia e controle, a atuação no trânsito interestadual e participação de eqüídeos em eventos hípicos, deve ser feito acompanhamento de exame negativo para mormo obedecendo ao prazo de validade e que estes não apresentem sintomas clínicos da doença, sacrifício dos animais doentes ou soropositivos e incineração das carcaças, interdição da propriedade para saneamento, quarentena e sorologia antes de introduzir animais no rebanho, desinfecção das instalações e de todo material que teve contato com animais doentes.

Faz-se importante a realização de diagnóstico diferencial para outras doenças infecciosas que acometem o sistema respiratório e linfático de eqüídeos como: Adenite Equina, Rodococose, Linfangite Epizoótica e Ulcerativa, Melioidose, Anemia Infecciosa Eqüina, Influenza Eqüina e Rinopneumonite Eqüina.

Fonte: Equipe CPT Cursos Presenciais

Adaptação:   Equipe CPT Cursos Presenciais

Autor(a): Marcelo Rondon - Equipe CPT Cursos Presenciais

Data: 14/09/2012


Quero receber promoções
  • imprimir
  • contato
  • twitter
  • facebook
  • orkut

Artigos relacionados!
Gostaria de receber informações sobre nossos cursos? Preencha os campos abaixo:





Confirmação

O CPT Cursos Presenciais garante a você total segurança e confidencialidade em seus dados pessoais.
Preencha os campos abaixo para receber informações completas de promoções e descontos.





Confirmação

O CPT Cursos Presenciais garante a você total segurança e confidencialidade em seus dados pessoais.
  • twitter
  • facebook
  • google+
  • You Tube
  • Linkedin
  • Bradesco
  • Master Card
  • Visa
  • Itaú
  • Site seguro