Artigos e Informativos






O CPT Cursos Presenciais garante a você 100% de segurança e confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Fungos parasitas chamados de dermatófitos provoca infecção do tipo dermatomicose

Fungos parasitas chamados de dermatófitos provoca infecção do tipo dermatomicose, também conhecida como “tinha” ou tricofitose.

Os animais domésticos e os humanos mantém um relacionamento estreito, devido a isso as dermatomicoses dos animais domésticos constituem zoonoses importantes, dada a alta infectividade observada nesses processos.

Nos locais de clima tropical e temperado é mais comum à doença, principalmente em regiões quentes e úmidas.  Ela acomete diversas espécies de animais, como os bovinos, equinos, ovinos, suínos, cães, gatos, aves, animais silvestres e o homem.

A dermatomicose é uma infecção nas partes superficiais do corpo, o que não leva a grandes prejuízos econômicos no caso de animais infectados.  No entanto, a agitação devido ao prurido provocado por ela, resulta em queda no ganho de peso dos animais.

O contato direto entre os animais infectados e os sadios é a forma mais comum de contaminação, que pode ocorrer também pelo contato com os esporos dos fungos que podem estar presentes em diversos locais, como cercas, cochos e postes.

O estabelecimento do fungo é favorecido por lesões previas, o fungo provoca lesão no extrato queratinizado. Quando há a quebra da relação hospedeiro-parasita, ocorrem manifestações clínicas, como alopecia, eritema, exudação, calor e descamação da pele devido à produção de toxinas e alérgenos. O processo inflamatório tende a destruir o fungo, que procurará melhores condições de desenvolvimento nos bordos da lesão. Assim, após novo período de irritação e de inflamação, novo deslocamento irá ocorrer para a periferia, dando às lesões aspecto de círculos definidos de alopecia e descamação.

As manifestações clínicas ocorrem geralmente na cabeça, pescoço e períneo e, caso não seja iniciado um tratamento adequado, pode se alastrar para outras regiões do corpo. O período de incubação pode variar de uma a quatro semanas. As lesões se caracterizam por serem circulares, circunscritas, com diâmetro variando de 1 a 3 centímetros, podendo estar sem pelos ou com a presença de uma crosta acinzentada ou amarronzada. Inicialmente, a superfície abaixo da crosta apresenta-se úmida e hemorrágica, mas após as crostas caírem à lesão apresenta-se seca e sem pelos.

Para o diagnóstico geralmente, apenas os achados clínicos são suficientes. A confirmação pode ser feita através de exames laboratoriais, como: raspado, biópsia ou cultura da pele.

Para tratar as lesões geralmente os médicos veterinários prescrevem medicamentos de uso tópico.

A pulverização ou banhos de fungicidas é o mais recomendado para os casos onde um grande número de animais foi afetado, como nos rebanhos. Os animais precisam ser isolados e o ambiente e os utensílios utilizados no manejo dos animais em questão devem passar por uma desinfecção. Para minimizar as ações dos esporos uma boa ventilação e insolação também contribuem.

 

Quais as doenças dermatológicas parasitárias?

Quais as doenças do ouvido de cães e gatos?

Como tratar as doenças dermatológicas dos cães e dos gatos?

 

 

Fonte: Info Escola

Adaptação:   Equipe CPT Cursos Presenciais

Autor(a): Débora Carvalho Meldau

Data: 06/12/2012


Quero receber promoções
  • imprimir
  • contato
  • twitter
  • facebook
  • orkut

Artigos relacionados!
Gostaria de receber informações sobre nossos cursos? Preencha os campos abaixo:





Confirmação

O CPT Cursos Presenciais garante a você total segurança e confidencialidade em seus dados pessoais.
Preencha os campos abaixo para receber informações completas de promoções e descontos.





Confirmação

O CPT Cursos Presenciais garante a você total segurança e confidencialidade em seus dados pessoais.
  • twitter
  • facebook
  • google+
  • You Tube
  • Linkedin
  • Bradesco
  • Master Card
  • Visa
  • Itaú
  • Site seguro