Notícias e Informativos






O CPT Cursos Presenciais garante a você 100% de segurança e confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Produto inédito reduz fertilizantes na produção de cana-de-açúcar

Depois de vinte e cinco anos de pesquisas, cientistas da Embrapa Agrobiologia (Seropédica/RJ) desenvolveram um inoculante a base de bactérias fixadoras de nitrogênio, que aplicado na cana-de-açúcar promove o crescimento da planta sem o uso de fertilizante nitrogenado (na foto, cana inoculada à esquerda). O produto pode significar além de uma redução de custos, um ganho ambiental, já que deixam de ser aplicados pelo menos 30 quilos de nitrogênio por hectare ano na cana-planta. O lançamento da tecnologia será feito na terça-feira(6) por ocasião da comemoração dos 35 anos da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. A solenidade será realizada às 19:30h , na sede da Empresa, em Brasília. Em dois anos Segundo os pesquisadores que trabalham no desenvolvimento do inoculante, o produto deve estar disponível no mercado dentro de dois anos. Com uma produção que chega a 426 milhões de toneladas por ano, o Brasil é o maior produtor mundial de cana-de-açúcar. A área plantada atinge mais de 6 milhões de hectares. De acordo com a pesquisadora Veronica Massena Reis, a utilização desta tecnologia tem como principal impacto a substituição de nitrogênio na cana de primeiro ano. Renovando anualmente 20% da área total de cana plantada no país, teríamos 1,2 milhão hectare. Se a dose aplicada for de 30 quilos de nitrogênio por hectare (a dose mínima), tem-se uma economia de 50 mil toneladas de fertilizante nitrogenado por ano, sem decréscimo de produtividade. Bactérias selecionadas em laboratório O inoculante para a cana é uma mistura de estirpes de cinco espécies de bactérias isoladas da cana-de-açúcar (Gluconacetobacter diazotrophicus, Herbaspirillum seropedicae, Herbaspirillum rubrisubalbicans, Azospirillum amazonense e Burkholderia tropica) nos laboratórios da Embrapa Agrobiologia. O produto é obtido por meio do crescimento das cinco estirpes em meio de cultivo, de forma individualizada. Depois cada estirpe é misturada em turfa estéril e distribuída em sacos plásticos de 250 gramas. O produto contém 1250 gramas, equivalente a cinco pacotes de turfa contendo o inoculante microbiano, que é misturado a 100 litros de água por ocasião do plantio. A utilização do inoculante é simples e de baixo custo. Os colmos(caule), contando três gemas, são mergulhados na mistura de água e inoculante por um período de uma hora e a seguir são plantados. Cada dose do inoculante deve custar de 15 a 25 reais. Apesar do inoculante estar pronto, ele só deve chegar as mãos dos produtores dentro de dois anos. O próximo caminho será a transferência da tecnologia para as indústrias de inoculante que tiverem interesse em desenvolver o produto comercialmente. E como este é o primeiro inoculante para gramíneas (cana-de-açúcar, milho, arroz, etc) desenvolvido no país, ainda não há uma legislação própria para o controle da qualidade destes produtos. Ana Lucia Ferreira(MTb 16913/RJ) Embrapa Agrobiologia (analucia@cnpab.embrapa.br ) Contatos: (21) 2682-1500 r:238 (21) 9339-1850

Fonte: Embrapa

Data: 03/07/2008

  • imprimir
  • contato
  • twitter
  • facebook
  • orkut
Notícias relacionadas! Veja mais notícias »
  • twitter
  • facebook
  • google+
  • You Tube
  • Linkedin
  • Bradesco
  • Master Card
  • Visa
  • Itaú
  • Site seguro