Notícias e Informativos






O CPT Cursos Presenciais garante a você 100% de segurança e confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Erlichiose e a Babesiose: Doenças transmitidas pelo carrapato

A Erlichiose e a Babesiose são doenças transmitidas pelo carrapato, o que torna imprescindível o uso de carrapaticidas. Ambas são provocadas por hematozoários (Erlichia canis e Babesia sp) e são transmitidas através da picada do carrapato.

Um cão pode manifestar ao mesmo tempo as duas patologias o que agrava o quadro clínico do animal, e os sintomas de ambas são parecidos. Os sintomas mais comuns são: perda de apetite, desânimo, apatia e emagrecimento. Na Erlichiose ainda pode-se observar sangramento espontâneo pelo nariz e manchas vermelhas no corpo. Em cães infestados com Babesia, a cor da urina pode ficar hiperpigmentada, isto é, bem escura, cor de ‘Coca-cola’.

A realização de exames de sangue é importante, pois as características mais marcantes da doença são a queda no número de plaquetas, além de anemia e outras alterações. Exames específicos onde se determina a presença ou não dos patógenos determinam um diagnóstico mais preciso.

O diagnostico precoce é fundamental para o sucesso do tratamento. O tratamento é diferente em cada patologia, mesmo quando aparecem associadas.

No caso da Erlichiose, o medicamento de escolha é a doxiciclina e o tempo de tratamento é longo, entre 21 e 30 dias, e deve ser feito corretamente, mesmo quando o animal já não apresentar mais os sintomas. Além disso, outros medicamentos podem ser necessários, de acordo com o quadro apresentado pelo animal.

No caso da Babesiose, o tratamento de escolha é o imidocarb, e as aplicações ocorrem em intervalos de uma a duas semanas.

É importante salientar que cada caso pode-se apresentar de maneira diferente, por isso, cada animal receberá o tratamento adequado ao seu caso. Nunca medique o animal por conta própria, o veterinário é quem está apto a fechar um diagnóstico e prescrever tratamentos.

Prevenir é a melhor maneira de se evitar a doença. Como não existem vacinas para as patologias, a melhor forma de evitar que o cão desenvolva a doença é controlando o vetor da doença, que no caso é o carrapato.  É fundamental o uso de carrapaticidas para o ambiente e de uso tópico no animal.

Fonte: Cães e Gatos

Data: 30/01/2013

  • imprimir
  • contato
  • twitter
  • facebook
  • orkut
Notícias relacionadas! Veja mais notícias »
  • twitter
  • facebook
  • google+
  • You Tube
  • Linkedin
  • Bradesco
  • Master Card
  • Visa
  • Itaú
  • Site seguro