Frequência e intensidade do pastejo degradam capim

  •   
  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A freqüência e a intensidade do pastejo, que se refere à altura do capim no corte pelo animal, podem degradar a pastagem. O pastejo freqüente com a forrageira baixa enfraquece a planta, pois, sem folhas, não há fotossíntese. A intensidade varia conforme o capim e, em áreas degradadas, deve-se esperar que o capim atinja altura mínima para fazer o pastejo. Para a braquiária decumbens, por exemplo, a altura mínima indicada é de 20 centímetros; para o colonião e o mombaça, 40 centímetros; coast-cross e tifton, 20 centímetros. Outra causa da degradação é, no inverno, muito animal para pouca comida, o que deixa o pasto baixo e provoca stress na planta. “Nesse caso, a dica é fazer silagem ou vedar o pasto antes da seca”, diz Patrícia Santos. A performance do bovino tem uma dependência direta com o consumo de forragem, e indireta relacionada aos efeitos dos pastejo sobre a estrutura, composição e produtividade do pasto. A quantidade de forragem colhida em cada bocado determina o consumo pelo bovino. Este tamanho do bocado é influenciado pela relação caule/folha (tipo de planta, sistema de pastejo, taxa de lotação) e pela densidade do pasto (disponibilidade e hábito de crescimento da planta) condicionam o comportamento animal em pastejo, caracterizado pelo ato de ruminar, de pastejar (número e tamanho do bocado) e de caminhar à procura da forragem, da água e de minerais. A empresa CPT Cursos Presenciais oferece cursos na área de bovinos com qualidade e ótima infra-estrutura. Conheça nossos cursos Clique aqui

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •   
  •  
Sem categoria

Atualizado em: 8 de julho de 2008

Artigos Relacionados