Conheça mais sobre medicação pré-anestésica veterinária

  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
medicação pré-anestésica veterinária

Em primeiro lugar, todo animal, após passar por uma avaliação profissional e for constatado que de que realmente precisa passar por uma intervenção ou procedimento que demande sedação deve ser submetido a um protocolo de medicação pré-anestésica veterinária. 

Inclusive, em alguns casos, a própria medicação pré-anestésica veterinária já é suficiente para agir como sedativo, tranquilizantes, ansiolítico e analgésicos, seja de forma isolada ou associados. 

No entanto, manipular tais substâncias exige conhecimento e prática na área, afinal, a vida do animal e a pronta recuperação após o procedimento depende que esse procedimento seja feito com segurança. Você já sabe como ministrar a medicação pré-anestésica em cães e gatos? Continue a leitura e entenda! 

O que é medicação pré-anestésica veterinária? 

Como vimos, a medicação pré-anestésica veterinária corresponde aos fármacos administrados nos animais antes de ser submetido a uma anestesia e, por vezes, já são suficientes para sedar o animal, dependendo da necessidade do procedimento. 

Portanto, essa etapa é muito importante para a área da anestesiologia veterinária, afinal, a segurança da intervenção depende disso. 

Além disso, alguns dos efeitos positivos da medicação pré-anestésica são: 

  • Facilita a contenção do paciente;
  • Diminui o estresse;
  • Promove analgesia e miorrelaxamento;
  • Potencializa os fármacos indutores anestésicos;
  • Minimiza os efeitos deletérios dos fármacos indutores;
  • Permite uma indução e recuperação mais suaves;
  • Adjuvante de anestesia local;
  • Diminui as secreções de vias aéreas e salivação;
  • Minimiza a atividade reflexa autonômica seja de origem simpática ou parassimpática.

Entretanto, vale  lembrar que é importante que se leve em conta a condição geral e fisiológica do paciente, relacionando estes dados sempre ao procedimento cirúrgico ao qual ele será submetido.

Por essa razão, essa avaliação pré-anestésica  é importante, pois com esses dados em mãos o veterinário consegue definir, por exemplo, as doses que serão ministradas em cada caso, pensando também nas associações sinérgicas que irão ocorrer entre os fármacos.

Grupos Farmacológicos

Nesse sentido, existem seis grupos farmacológicos de medicação pré-anestésica utilizados antes da intervenção que  devem ser estudados e entendidos a fundo pelo médico veterinário anestesista. Dessa forma, os procedimentos podem ser  realizados com o sucesso esperado. 

São eles:

  • Anticolinérgicos;
  • Benzodiazepínicos;
  • Fenotiazínicos;
  • Agonistas α2 adrenérgicos;

A seguir, vamos falar brevemente sobre a ação de cada um deles. Confira! 

Anticolinérgicos

Essa é uma categoria de medicamentos  que diz respeito a fármacos que bloqueiam a ação da acetilcolina nos sítios inervados pelas fibras nervosas pós-ganglionares (receptores muscarínicos) do S.N.

Assim, essa substância é um neurotransmissor, ou seja, atua na comunicação das células nervosas entre elas e também podem ser denominados parassimpatolíticos.

Estão divididos em dois grupos de ações: 

Farmacodinâmica

Bloqueia o tônus vagal, gerando taquicardia mas não influencia a pressão arterial. Também leva a broncodilatação e aumenta a viscosidade das secreções, ao mesmo tempo em que reduz o seu volume. 

Farmacocinética

A via de administração pode ser IV (intravenosa), IM (intramuscular), ou SC (subcutânea). Seu período de latência é de 30 segundos e sua ação geralmente dura entre 40 a 60 minutos. No cão a biotransformação dos anticolinérgicos ocorre pelas esterases plasmáticas, enquanto que no gato isso ocorre por via renal e hepática.

Benzodiazepínicos

Já os Benzodiazepínicos são medicamentos capazes de promover ação ansiolítica, convulsivante e miorrelaxante. Além disso, eles podem causar uma amnésia temporária sem depressão acentiada do SNC (Sistema Nervoso Central) e aumentam a atividade dos interneurônios e gera um “atraso” do impulso nervoso.

Do mesmo modo, são dois grupos de ações. 

Farmacodinâmica

  • Diminuição da ansiedade;
  • Ação anticonvulsivante;
  • Miorrelaxamento;
  • A atuação destes fármacos sobre os parâmetros fisiológicos é discreta;
  • Após administrações crônicas seus efeitos são reduzidos.

Farmacocinética

Pode ser administrado por qualquer uma dessas vias: intravenosa, intramuscular, subcutânea, ou oral. Seu período de latência é de 5 a 10 minutos. O período de ação dura de 2 horas  a 6 horas e a biotransformação desses fármacos ocorre no fígado.

Fenotiazínicos

Os fenotiazínicos são fármacos que causam uma depressão do tronco cerebral e conexões para o córtex cerebral. Isso gera a ação tranquilizantes. A ideia dessa fármaco é agir gerando um antagonismo competitivo com o neurotransmissor DOPA nos receptores dopaminérgicos.

Farmacodinâmica

Do ponto de vista da farmacodinâmica, os fenotiazínicos podem causar: 

  • diminuição no limiar de excitabilidade das células nervosas;
  • Vasodilatação, o que leva a uma hipotensão;
  • Tem ação antiarritmogênica;
  • Hipoventilação;
  • Bloqueio do centro termorregulador;
  • Ação antiemética, anti-histamínica; anti-sialagoga

Farmacocinética

Podem ser administrados por diversas vias, sendo elas: intravenosa, intramuscular, subcutânea, intra-peritoneal, oral e nasal. O período de latência desses fármacos é de 10 a 30 minutos e período de ação de 2 a 4 horas. A biotransformação deles se dá por via hepática.

Agonistas α2 adrenérgicos

Por fim, os Agonistas α2 adrenérgicos atuam diretamente nos receptores α do sistema simpático promovendo sedação, miorrelaxamento e uma leve analgesia. 

Dessa maneira, sua atuação é tanto central quanto periférica. Vale destacar que a administração por via intramuscular diminui consideravelmente esses efeitos.

Farmacodinâmica

  • Vasoconstrição fugaz (5 a 10 minutos);
  • Bradicardia reflexa;
  • Efeito arritmogênico;
  • Hipotensão secundária e prolongada;
  • Queda no débito cardíaco;
  • Hipoventilação;
  • Emese;
  • Retardo no trânsito intestinal;
  • Inibição do ADH;
  • Queda na temperatura – Hipotermia;
  • Diminuição da pressão intraocular;

Farmacocinética

Estes fármacos podem ser administrados por duas vias, sendo elas intravenosa e intramuscular. Seu período de latência dura cerca de 2 a 5 minutos. A ação geralmente dura de 20 a 30 minutos. É um fármaco de biotransformação hepática.

Os fármacos citados são os principais utilizados em um protocolo de de medicação pré anestésica veterinária. No entanto, como citamos no início desse texto, é importante entender qual a condição na qual o paciente se encontra assim como qual será o procedimento realizado. Tudo isso requer conhecimento teórico e prático. 

Confira essa dica que separamos para você: 

Curso de Anestesias em Pequenos Animais

Fonte: Ebook Anestesias em Pequenos animais e Sanar Saúde

  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Artigos Relacionados