Saiba como funciona a cirurgia de uretrostomia em cães

  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
uretrostomia em cães

A uretrostomia é o nome dado à técnica cirúrgica que consiste na abertura de uma fístula na uretra do animal, com o objetivo de drenar urina e amenizar transtornos no sistema urinário. Dessa forma, a uretrostomia em cães é um método que pode ser utilizado em diferentes situações. Sabendo disso, é imprescindível que os clínicos e veterinários que se interessam pelos cuidados com pequenos animais tenham conhecimento sobre essa prática e saibam quando aplicá-la. Se interessou pelo assunto? Leia mais a seguir! 

O que é? 

A uretrostomia em cães é utilizada quando há obstrução na uretra do animal.  Esse procedimento pode ser indicado em diversas situações. De maneira geral, pode-se dizer que essa técnica é aplicada em casos onde o animal apresenta um quadro de traumatismo peniano ou neoplasia dessa área, estreitamento da uretra e produção de cálculos ou urólitos. Este último quadro é mais comum em machos, em decorrência do formato da uretra, que é mais longa e estreita quando em comparação às estruturas nas fêmeas. 

Comumente, a uretrostomia é comparada à uretrotomia, mas são procedimentos cirúrgicos diferentes e que não devem ser confundidos. A uretrotomia consiste em uma incisão na uretra do animal com o objetivo de remover cálculos que não serão expelidos de maneira natural. Já a uretrostomia é definida como a criação de uma fístula permanente nesse mesmo órgão.  

Antes da realização da cirurgia, é indispensável avaliar o estado físico do animal e sua saúde Também, por meio de consultas aos tutores, é fundamental alertá-los sobre os riscos do pós-operatório e os cuidados que devem ser tomados para a recuperação do canino operado. 

Tipos de uretrostomia em cães

Essa cirurgia pode ser feita utilizando quatro técnicas, sendo divididas entre uretrostomia escrotal, pré-escrotal, perineal e pré-púbica. 

O procedimento escrotal é o método de uretrostomia em cães mais utilizado, em virtude da menor quantidade de tecido envolvendo a uretra e sua superficialidade, situações que facilitam a cirurgia e diminuem as chances de hemorragia após a operação. Consiste na seleção de alguma área do escroto do animal para que seja feita uma abertura para que a uretra seja exposta. Já a uretrostomia pré-escrotal é feita através de uma incisão imediatamente caudal ao prepúcio e que se estende até imediatamente cranial ao escroto. 

A uretrostomia perineal se mostra mais complexa, devido à possibilidade de aparecimento de assaduras no local, em decorrência do contato com a urina. Dessa forma, é aplicada somente quando os outros procedimentos citados não foram suficientes para a resolução do caso. Nesse procedimento, realiza-se um corte de maneira ventral ao ânus do animal, englobando, também, o pênis e o escroto. 

A operação pré-púbica é aplicada em último caso, quando nenhum dos outros métodos se mostra viável ou eficiente ou quando os ferimentos encontrados na região peniana são irreversíveis. Dessa forma, pode ser enquadrada como um procedimento de salvação. 

É indispensável o cuidado que o profissional deve ter com o contato entre a urina e a pele do animal. O vazamento dessa substância pode ser um indicativo de que a uretra e/ou o tecido cutâneo não foram posicionadas da maneira correta. Assim, ressalta-se o domínio das técnicas cirúrgicas que clínicos e veterinários devem possuir, a fim de evitar que essas situações aconteçam. 

O pós-operatório

Os processos pós-operatórios são de extrema importância para a sua recuperação e para que o procedimento seja efetivo. A monitoração da hidratação do animal e a prescrição do colar elizabetano são alguns dos cuidados que devem tomados pelo profissional, além de 

administração de analgésicos e antibióticos, caso sejam necessários. 

O quadro mais comum de complicações pós-operatórias de uretrostomia em cães consiste em hemorragias, constantemente observadas durante a micção. Dessa forma, caso essa situação seja percebida por mais de 14 dias, um novo procedimento cirúrgico pode ser necessário. 

Além disso, é necessário que os tutores dos animais submetidos à cirurgia realizem, com cuidado, a limpeza do local afetado, utilizando soluções antissépticas e/ou fisiológicas, com o auxílio de uma seringa. Também, é necessário que os animais operados não façam exercícios físicos, a fim de impedir que as suturas se soltem. 

A uretrostomia em cães é um procedimento importante e que, como outras operações em pequenos animais, tende a ser delicada e demanda atenção e preparo do profissional que irá realizá-la. Além de estarem capacitados para a aplicação dessa técnica, os veterinários e clínicos devem estar atentos aos cuidados pré e pós-operatórios, situação essa que  evidencia que o aprofundamento de conhecimentos nessa área é primordial para garantir o bem estar dos animais. Gostaria de se especializar? Conheça o curso de Cirurgias em Pequenos Animais! 


Fontes: Vet Profissional, Consulta Dog Vet, Universidade de Rio Verde, Universidade de Évora, UNESP, Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Artigos Relacionados