Aprenda mais sobre Avicultura (Frango de Corte) com os Professores do CPT Cursos Presenciais

  •   
  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Em entrevista ao CPT Cursos Presenciais os professores dos cursos de Avicultura (Frango de Corte), Professora Rosana Cardoso Maia,  Professor Luiz Fernando Teixeira Albino e Professor Gabriel Borges Sandt Pessôa falam sobre Avicultura (Frango de Corte).

CPT Cursos Presenciais – O que fazer com os dejetos da produção de frangos de corte?

Professores – A avicultura de corte perde apenas para a suinocultura em termos de produção de dejetos, e a grande dificuldade dos produtores rurais está justamente em que fim dar aos resíduos produzidos. Atualmente estamos atravessando um contexto de sustentabilidade na produção, portanto ao elaborar um projeto para produção de frangos de corte é necessário estar devidamente  explicitado o manejo a ser realizado com os resíduos produzidos, pois estes fazem parte da cadeia produtiva. Dentre os dejetos da produção avícola temos principalmente carcaças e cama.

Uma alternativa muito utilizada tem sido a implantação de fossas sépticas. Porém esta alternativa é muito limitada, pois à medida que ela atinge sua capacidade máxima, novas fossas deverão ser construídas, e estas ocupam uma grande área na propriedade. Outro fator a ser observado é que o manejo incorreto das fossas sépticas causam odores desagradáveis e chama a atenção de aves carniceiras para a propriedade.

A compostagem é a decomposição aeróbia da matéria orgânica, produzindo água, CO2 ,calor e amônia, dependendo dos microorganismos envolvidos. A utilização de composteras tem aumentado cada vez mais pela sua praticidade e qualidade do produto gerado utilizado como adubo para diferentes culturas vegetais. Se bem manejada a compostera não produz cheiro algum.

Um outro método é a incineração, que consiste na queima de todo o material. É um método muito eficaz, porém mais oneroso que os citados acima. Atualmente, grande parte dos incineradores, possuem filtros para contenção de gases tóxicos produzidos.

A adoção de uma das alternativas acima dependerá essencialmente da quantidade de dejetos produzidos bem como a disponibilidade de capital para o investimento.

CPT Cursos Presenciais  – Cuidados na fase pré-inicial.

Professores  – A fase pré-inicial de produção de frangos de corte é a fase mais crítica durante a vida da ave. Qualquer falha no manejo neste período poderá comprometer o desempenho final das aves. A grande dificuldade encontrada hoje pelos produtores é conseguir garantir um aquecimento adequado nesta fase. Durante o primeiro dia de idade a zona de conforto térmico da ave se encontra entre 30 a 32°C e com o passar da idade esta temperatura decresce. O mal aquecimento pode levar à mortalidade precoce (>1% na primeira semana), crescimento inicial deficiente e pior conversão alimentar.

O fornecimento de ração deve ser o mais rápido possível pois até 48horas após a eclosão a ave passa por um crescimento alométrico positivo, que significa o aumento em peso mais que proporcional das vísceras em relação ao corpo. O aumento de vísceras, principalmente do intestino delgado, aumenta a superfície de contato para atuação de enzimas e absorção de nutrientes. Ao alimentar a ave assim que ela chega à propriedade permitimos o contato entre o alimento sólido e a mucosa intestinal, este contato estimula ainda mais este crescimento visceral. Pesquisas tem mostrado que deixar de alimentar a ave nas primeiras 48hs ocorre perda de aproximadamente 10% do rendimento de peito.

A qualidade da água também é um ponto importante no sucesso da criação, água fresca na temperatura adequada propicia melhor desenvolvimento da ave. O consumo de água está intimamente ligado ao consumo de ração, estima-se aproximadamente 2 litros de água para 1kg de ração, podendo estas proporções variarem de acordo com a temperatura ambiente.

CPT Cursos Presenciais  – Tipos de aquecedores para galpões.

Professores  – Os equipamentos mais comumente utilizados para o aquecimento dos pintinhos são as fornalhas a lenha de fogo indireto e as campânulas a gás (Tinôco, 2004), entretanto diversas pesquisas têm demonstrado que esses sistemas de aquecimento são pouco eficientes em manter os pintinhos em condições de conforto térmico. Novas pesquisas tem sido realizadas, através das quais tem-se testado outros sistemas de aquecimentos, tais quais: fornalha a carvão de queima direta , gaseificadores , fornalha a lenha de queima indireta e tambores de aquecimento por radiação. Em passado recente utilizava-se campânulas a gás. Todavia, face às oscilações dos preços deste, na maioria das vezes, os produtores tem buscado alternativas visando substituição deste combustível.

Existem dois tipos, uma com aquecimento direto do ar do interior do galpão, conhecida como “fornalha de queima direta”, e outra com aquecimento indireto do ar, conhecida como “fornalha de queima indireta”. Esses sistemas de aquecimento trabalham com energia renovável de biomassa, podendo o produtor gerar o seu próprio combustível em sua propriedade.

Em relação às campânulas à gás existem vários modelos, com placas aquecedoras metálicas ou de cerâmica, providas de campânulas maiores ou menores, com um queimador de gás convencional. O calor é transmitido às aves por condução e convecção. As campânulas são instaladas a pouca altura do chão e, conseqüentemente, das aves, o que ocasiona uma distribuição não uniforme da temperatura em seu raio de ação. Com a baixa altura de instalação, os gases provenientes da combustão se alojam abaixo da campânula, podendo atingir os pintos, prejudicando o aparelho respiratório. Possuem duas regulagens de temperatura, alta e baixa, feitas manualmente e uma capacidade reduzida de aquecimento. São funcionais devido a sua resistência, baixo índice de manutenção e mobilidade, podendo ser reinstalados com facilidade e rapidez.

CPT Cursos Presenciais  – Qualidade da água.

Professores  – A água representa, aproximadamente, 70% do peso das aves. Do volume total, 70% encontra-se dentro das células e 30% nos espaços intracelulares e no sangue. O conteúdo de água do corpo está diretamente associado ao seu teor de proteína.

Em várias regiões do Brasil, a disponibilidade de água é o fator mais limitante para a produção de frangos de corte. Entretanto, em muitas regiões, a água está disponível mas sua qualidade é que limita a produção. Assim, de nada adianta a água estar à disposição se não há consciência da importância da manutenção de sua qualidade.

Muitas vezes a fonte de água é bastante boa e a qualidade é perdida pelo mau armazenamento, onde são empregados reservatórios sujos, não cobertos, passíveis de serem alcançados por pássaros, ratos e outros animais ou, mais facilmente, contaminados pelo ar. Também pode perder a qualidade pelo sistema de encanamento empregado, onde também os resíduos de minerais e microorganismos estão presentes. Assim, proteger os reservatórios e os encanamentos é um procedimento indispensável. Várias são as características físico-químicas e microbiológicas que devem ser observadas quando da avaliação da qualidade da água, normalmente faz-se análises de microorganismos, pH, sólidos dissolvidos totais, dureza e outros minerais contidos na água.

CPT Cursos Presenciais  – Criação em alta densidade.

Professores  – A criação de frangos de corte em alta densidade permite aumentar a produção de kg de carne/m2. Porém é importante enfatizar que aumentar a densidade de 10 aves/m2 para 16 aves/m2 não consiste em apenas aumentar o número de aves. As modificações ambientais são vistas como pré-requisitos para aumentar a capacidade de alojamento de  um galpão.  O aumento da densidade causa maior competição entre as aves por alimento, maior excreção, com conseqüente maior produção de amônia, maior consumo de água podendo ocasionar maior umidade o que leva à proliferação de microorganismos patogênicos e maior estresse térmico por calor. É importante portanto realizar algumas modificações ambientais primárias para evitar estes tipos de problemas, como utilização de nebulizadores e ventiladores.

CPT Cursos Presenciais  – Retenção de água na carcaça.

Professores  – A retenção de água na carcaça está relacionada com o aspecto da carne antes do cozimento, com seu comportamento durante a cocção e com a palatabilidade do produto. Quanto maior a retenção de água na carcaça pior a qualidade da carne ao cozimento e o mesmo ocorre para carnes com baixa retenção de água. Entre as práticas ocorridas no frigorífico, está a etapa de reidratação da carcaça conhecido com Pré – Chiller e Chiller as carcaças permanecem por aproximadamente 20 minutos nesta etapa. Após esta, as carcaças são direcionadas para a etapa de gotejamento, onde a finalidade principal é reduzir o conteúdo de água na carcaça para no máximo 8%.

A retenção de água acima de 8% diminui a vida de prateleira da carne além de possibilitar maior proliferação de microorganismos.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •   
  •  

Artigos Relacionados