Vale a pena fazer uma especialização em animais silvestres?

  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
Criar animais silvestres tem se tornado cada vez mais comum, e o médico veterinário com essa especialização pode ter diversas oportunidades.

Será que vale a pena fazer uma especialização em animais silvestres? Existe público? 

Você pode até achar estranho, mas criar animais silvestres em casa está se tornando cada vez mais comum. E por mais que ainda existam muitas controvérsias, o fato é que os tutores legais se preocupam muito com a saúde e bem-estar de seus animais.

Mas, o médico veterinário com especialização em animais silvestres pode ter ainda muitas outras oportunidades, além da clínica. Assim, para te ajudar a chegar a uma conclusão, se vale ou não a pena se especializar, preparamos este texto para explicar um pouco mais sobre esse assunto. Confira!

Qual a diferença entre animais silvestres e domésticos?

A diferença entre os animais silvestres e domésticos está no lugar em que vivem e em seu comportamento.

Os animais silvestres são todos aqueles que vivem ou nascem em um ecossistema natural, como florestas, savanas, rios, lagos e oceanos. Geralmente, não estão acostumados com o convívio com humanos.

Já os animais domésticos são aqueles acostumados a viver na presença de seres humanos. Eventualmente, esses animais foram domesticados e aprenderam a viver em casas ou apartamentos, servindo com companhia. Os mais comuns são os cachorros e gatos. 

É permitido criar animais silvestres em casa?

A lei Nº 5197/67 proíbe a utilização, perseguição, destruição, caça ou apanha de animais de quaisquer espécies, em qualquer fase do seu desenvolvimento que vivem naturalmente fora do cativeiro, constituindo a fauna silvestre.

No entanto, essa mesma lei permite a construção de criadouros destinados à criação de animais silvestres para fins econômicos e industriais.

Sendo assim, o IBAMA permite que alguns animais silvestres e exóticos sejam domesticados, desde que a compra seja feita de maneira regularizada. 

Além de cuidados extras com documentação e burocracia, a domesticação também precisa ser regularizada. Para criar um animal silvestre é exigido, por exemplo, comprovar que possui capacidade financeira de manutenção. 

Infelizmente, o Brasil é um dos países que mais exporta animais silvestres ilegalmente. Surpreendentemente, esse tráfico movimenta mais de 1 bilhão de dólares e comercializa cerca de 12 milhões de animais anualmente.

Mesmo com a legislação é possível encontrar muitos animais silvestres ilegais até mesmo em locais aprovados. Para ter certeza da legalidade do animal, a melhor forma é entrar em contato com o IBAMA.

Quais animais silvestres podem ser domesticados?

Nem todos os animais silvestres ou exóticos podem ser criados em casa. Veja os permitidos e mais comuns:

  • Catatua;
  • Furão;
  • Chinchila;
  • Macaco Sagui;
  • Micro Porco;
  • Iguana;
  • Coruja;
  • Teiú;
  • Tarântula;
  • Salamandra;
  • Tartaruga Tigre d’água;
  • Cobra do milho;
  • Jibóia.

Por que se especializar nessa área?

Não é comum encontrar médicos veterinários com especialização em animais silvestres. Isso faz com que a profissão seja ainda mais valorizada, já que os donos vão sempre dar preferência para as clínicas que estão mais qualificadas para tratar seus animais.

Mas, além de atender em clínicas, o médico veterinário com especialização em animais silvestres pode atuar em diversos lugares, como:

  • Zoológicos;
  • Aquários;
  • Criadouros;
  • Mantenedouros da fauna silvestre;
  • Centros de reabilitação;
  • Diversos projetos na natureza;
  • Processos de translocação de fauna;
  • Comitês e planos de manejo de espécies ameaçadas.

O profissional dessa área possui responsabilidades extremamente importantes, como:

  • Zelar pelo bem-estar e pela ética na manutenção de fauna;
  • Impedir que enfermidades de natureza infecciosa ou infecto-contagiosa sejam veiculadas entre os animais, ou até mesmo para os humanos.
  • Impedir a propagação de agentes patogênicos no meio ambiente;
  • Auxiliar na proliferação dos animais que estão em possibilidade de extinção, utilizando biotécnicas de reprodução.

O Conselho Federal de Medicina Veterinária, estabeleceu por lei que os animais silvestres/selvagens devem receber assistência médica veterinária independentemente de sua origem. Por isso, é fundamental estar preparado para todos os tipos de situação. O conhecimento das diversas espécies é fundamental e indispensável para um profissional de qualidade. 

Quer trabalhar com animais silvestres, mas não sabe por onde começar? Que tal aprender na prática as principais situações ocorridas na clínica de animais silvestres?

Faça o Curso de Animais Silvestres e Não-Convencionais na Clínica de Pequenos Animais, do CPT Cursos Presenciais, e comece a oferecer um serviço de qualidade, diferenciado e lucrativo.

Curso de Animais Silvestres e Não-Convencionais na Clínica de Pequenos Animais

Fontes:Abravas, Revista Veterinária, WWF

  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Artigos Relacionados