O que você precisa saber sobre anestesiologia veterinária?

  •   
  • 6
  •  
  •  
  •  

A anestesiologia veterinária é uma das áreas que mais tem evoluído nos últimos anos. Valorizada tanto por tutores, quanto por médicos veterinários, a anestesia, de maneira geral, é a utilização de drogas de forma temporária para suprir a dor durante algum tipo de procedimento cirúrgico. Por envolver pequenos e grandes animais a especialidade tem diversas particularidades e é extremamente complexa.

O crescimento da área deu-se pelo fato dos procedimentos cirúrgicos veterinários aumentarem. Dessa forma, é fundamental que os médicos veterinários tenham o conhecimento profundo da anestesiologia veterinária. Afinal, mesmo que o profissional não lide diariamente com cirurgias pode encontrar algum paciente que não seja fácil de atender, sem auxílio de anestesia.

E mais, alguns exames e procedimentos a sedação torna-se indispensável. Por isso, a área está em grande expansão e o mercado busca por profissionais cada vez mais aptos a lidar com os processos anestésicos da melhor forma. Sendo assim, estudar muito é um dos pré-requisitos para um anestesista para que ele possa levar aos seus pacientes o que há de melhor.

Quer saber mais sobre a área, procedimentos utilizados e dicas para evitar acidentes? Então, continue a leitura e fique inteirado sobre o assunto!

Quando usar a anestesiologia veterinária?

Toda intervenção cirúrgica, seja ela uma castração ou uma cirurgia ortopédica precisa ser realizada com o paciente anestesiado. A anestesiologia veterinária também é utilizada em procedimentos simples, como a limpeza de dentes. Sua utilização garante que durante todo o processo o animal se mantenha quieto e não sinta dor.

Mas assim como acontece com os seres humanos, cada animal recebe a anestesia de uma forma específica. Ou seja, é preciso levar em conta diversos fatores antes de decidir qual o tipo de protocolo que será aplicado e as dosagens em cada paciente. Assim, haverá a garantia do sucesso do procedimento e uma ótima recuperação pós-operatória.

Em cirurgias, a anestesia veterinária garante que o animal não sinta dor durante e logo após o procedimento. E, dependendo do protocolo adotado o paciente pode ficar inconsciente durante todo o tempo cirúrgico. Mas, é importante salientar que cada animal que recebe a anestesia reage de formas diferentes. Além disso, assim como toda fármaco, a anestesia pode provocar reações adversas de grandes ou menores proporções.

Diante disso, o médico veterinário precisa analisar alguns fatores. Como por exemplo, idade do animal, se tem alguma complexidade que dificulte a anestesia (obeso, filhote) e a duração do procedimento. Todos esses fatores influenciam na  escolha da técnica anestésica que será aplicada.

Principais técnicas anestésicas

anestesiologia veterinária

Como você acompanhou, no tópico anterior, cada situação exige um tipo indicado de anestesia. Mas, normalmente, a anestesiologia é dividida em dois planos anestésicos: geral e local, que podem ser inalatória ou injetável. Confira a seguir os tipos:

Anestesia geral

Bastante utilizada em cirurgias ortopédicas, castração e amputação. Nela, o paciente perde totalmente a consciência.

Anestesia local

Possibilita a perda da sensibilidade dolorosa sem que o paciente perca a consciência. Geralmente, é utilizada em procedimentos menos invasivos.

Anestesia injetável

Tem várias opções de medicamentos que podem ser aplicados na anestesia injetável. Ela pode ser aplicada intramuscular ou intravenosa. 

Anestesia inalatória

Pelo fato de não precisar ser introduzida por vias musculares ou venosas, é considerada a mais segura. O efeito anestésico acontece graças a inalação dos medicamentos.

Anestesia locorregional

Essa técnica cresce a cada dia e oferece um conforto maior aos pacientes. Ela consiste na aplicação dos anestésicos localmente no tecido nervoso. Com a concentração adequada, bloqueiam a condução nervosa.

Em qualquer técnica aplicada, após o procedimento anestésico ser suspenso é iniciada a recuperação do paciente. Dependendo do fármaco utilizado e da condição do animal, recobrar a consciência pode levar minutos ou até mesmo horas. E mais, alguns ainda podem ter alterações como:

  • vômitos;
  • tonturas;
  • agitação;
  • andar cambaleante;
  • aumento da pressão arterial;
  • frequência cardíaca acelerada;
  • elevação da frequência respiratória.

Os sinais citados acima, podem ser mais intensos, caso a anestesia seja geral. Acima de tudo, é importante que o animal não ingira grandes quantidades de alimentos, já que os riscos que ele vomite são maiores.

É aconselhável aguardar 24h para fornecer alimentos normalmente ao paciente. Enquanto isso, é importante oferecer bastante água para que ele se mantenha hidratado. 

Você conseguiu perceber que é preciso muito treinamento e estudo para atuar na área? Para te ajudar, fizemos um manual com informações e dicas imprescindíveis sobre anestesias em pequenos animais, clique aqui e confira!

Dicas para evitar acidentes anestésicos

Para se evitar acidentes anestésicos é importante estar atento a alguns pontos. Entre eles podemos destacar a necessidade de se fazer uma avaliação pré-anestésica o mais minuciosa possível. Isto é, realizar todos os exames médicos que forem necessários a fim de minimizar os riscos do paciente.

Nesse sentido, é preciso também estar atento à monitorização de todos os sinais vitais do animal, que devem ser realizados durante todo o procedimento. Semelhantemente, o fator humano e individual também contribui muito para o sucesso ou insucesso da técnica. Por isso, é imprescindível discutir todo o plano cirúrgico e deixar claro todo o tipo de complicações que possam acontecer dentro da sala de cirurgia. 

Os riscos anestésicos não são descartados e fazem parte de todo processo cirúrgico. Principalmente, quando o paciente apresenta alguma patologia específica ou ainda seja filhote, idoso ou obeso. 

É importante destacar que a anestesiologia veterinária é um assunto sério. Afinal, qualquer erro durante o procedimento pode custar a vida do paciente. Para que você, médico veterinário, consiga atender a alta demanda do mercado, salvar muitas vidas e oferecer aos paciente o conforto e dignidade merecidos é preciso muito conhecimento prático. 

Que tal acabar de uma vez por todas com aquele receio de anestesiar pacientes obesos, idosos ou que tenham alguma complexidade que dificulte a anestesia?

Para isso, você precisa de um treinamento prático, intensivo e individual onde terá todo conhecimento e segurança para atuar na área da anestesiologia veterinária! 

Com as técnicas aprendidas durante o curso de anestesias veterinária em pequenos animais além de deixar o medo de lado, você ainda vai aumentar o seu número de pacientes e a sua lucratividade.

É só clicar na imagem abaixo e conferir todas as informações:

Fontes: Revista Veterinária e Cães e Gatos 

  • 6
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Artigos Relacionados