Como é feita a coleta de medula óssea em cães e gatos?

  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
coleta de medula óssea em cães e gatos

Você conhece o procedimento de coleta de medula óssea em cães e gatos? Sabe suas aplicabilidades? Continue a leitura deste texto para conhecer mais sobre a técnica.

Trata-se de um procedimento cujo objetivo é realizar o diagnóstico de enfermidades a partir de análises laboratoriais e também para conseguir células pluripotenciais para serem usadas em terapias. Cabe destacar que a medula óssea realiza o processo de  hematopoiese de células eritroides, granulocíticas, megacariocíticas e linfocitárias.

Em pequenos animais, a medula é encontrada na borda acetabular, crista ilíaca, epífise de ossos longos, esterno e regiões do íleo. 

A seguir, conheça suas aplicabilidades e os procedimentos empregados para coletá-la.

Recomendações da coleta de medula óssea em cães e gatos

Por meio da coleta de medula óssea em cães e gatos, é possível realizar mielograma, imuno-histoquímica, citogenética e citometria de fluxo. Assim, identificam-se-se doenças como:

  • anemia não regenerativa
  • doença das plaquetas
  • presença de parasitas
  • leucemia
  • linfoma

Em geral, o médico veterinário indica o procedimento quando identifica mudanças no exame de hemograma relacionadas a alterações nos formatos das células do sangue, existência de células imaturas, aumento no número de glóbulos brancos, trombocitopenia, entre outras. Os casos apresentados em cães e gatos podem envolver mais de um desses problemas simultaneamente. 

Outra aplicabilidade é para detecção de enfermidades, como apresentamos. É possível diagnosticar brucelose, doenças causadas por fungos, erliquiose,  leishmaniose, leucemias e mieloma múltiplo. 

A partir da coleta de medula óssea em cães e gatos é exequível ainda aplicar células-tronco para o tratamento de animais com leucemia. Tal técnica é usada na medicina humana, mas também vem se expandindo na veterinária para recomposição das células da medula e do sangue.

Como é feito o procedimento e quais são os cuidados?

Em primeiro lugar, antes de realizar a coleta de medula óssea em cães e gatos, os animais precisam receber anestesia geral. Previamente, deve-se ter jejum de 12 horas sem ingerir alimentos e de 6 horas sem beber água. No local em que o procedimento será feito, é fundamental fazer a raspagem dos pelos (tricotomia) e a assepsia.

Há duas formas de coleta: no fêmur ou na tíbia por meio de decúbito lateral, o meio mais usado, ou na crista ilíaca através de decúbito ventral. O procedimento para aspiração da medula precisa ser conduzido por médico veterinário especializado seguindo todos os protocolos. 

Em seguida, com o animal anestesiado, o profissional introduz e rotaciona a agulha até que fique presa ao osso. Para perfurar, o cirurgião precisa fazer movimentos rotacionais com seu pulso e antebraço, permanecendo com o braço e o cotovelo parados. Todos os movimentos precisam ser feitos devagar, mas com elevada amplitude. Em seguida, aspira-se com uma seringa e EDTA 3% na agulha. Coleta-se entre 0,5 e 1 mL do material. 

Os cuidados após a coleta de medula óssea em cães e gatos requerem compressa local para estancar o sangramento e, se for preciso, utilizam-se anti-inflamatório e analgésico. O material coletado precisa ser colocado em um frasco esterilizado e com anticoagulante EDTA. Elimina-se a agulha e injeta a medula no tubo de forma lenta para deixá-la homogênea. Por fim, é preciso, mandar para o laboratório de análises clínicas em até 24 horas.

Capacitação na área

Portanto, devido a complexidade do procedimento, é fundamental que seja feito por um profissional qualificado. Quer estar preparado para realizar coleta de medula óssea em cães e gatos?

Aprenda técnicas e procedimentos para condução de atendimentos para pequenos animais. Com o Curso de Práticas Hospitalares em Pequenos Animais, você adquire habilidades práticas em intervenções médicas de situações emergenciais, como fazer terapia transfusional e realizar transfusão de sangue. 

Fontes: Unijui; Ciência Rural; Tecsa.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Artigos Relacionados