Conheça o diagnóstico e tratamentos para displasia coxofemoral em cães

  •   
  • 165
  •  
  •  
  •  

A displasia coxofemoral em cães é uma doença de má formação genética, com degeneração da articulação do quadril. Sendo assim, a enfermidade se caracteriza pela desigualdade entre a massa muscular e o rápido crescimento ósseo que causa instabilidade pelo fato do desenvolvimento dos ossos não seguir o dos músculos e pode ser muito dolorosa ao animal.

O desenvolvimento da displasia coxofemoral em cães pode ocorrer no animal ainda jovem, normalmente entre quatro meses a um ano de idade. Quando, de natureza hereditária, a enfermidade pode causar, além do crescimento excessivo, vários problemas nas articulações, cabeça do fêmur, cápsula articular e o acetábulo.

Agora que você já sabe o que é displasia coxofemoral em cães, sabe quais os sinais da doença? Trataremos sobre o assunto em seguida!

Por que ocorre a displasia coxofemoral em cães? 

A displasia coxofemoral em cães pode estar presente em diversas raças. Mas é mais comum em algumas de grande porte como Labrador, Pastores, Filas e Rottweilers. Esses animais possuem maior inclinação para doença por conta do seu crescimento acelerado.

Além da predisposição genética, são vários os fatores que podem levar ao cão a desenvolver esse distúrbio. Má formação da articulação coxofemoral (ligamento do fêmur com o quadril) e das estruturas que estão próximas como ligamentos, tendões e músculos são as causas mais comuns. 

Alguns fatores podem desencadear a displasia coxofemoral em cães, como:

– Posições equivocadas

– Crescimento desordenado

– Exercícios constantes e exagerados

No entanto, o ambiente em que o cão vive também pode influenciar diretamente no seu surgimento. Uma vez que o piso do lugar onde o animal vive pode agravar a lesão, sobretudo quando é muito irregular ou escorregadio. 

 É importante destacar que além do solo, existem outros motivos que contribuem para o agravamento. A idade e do porte físico do animal são alguns desses exemplos. Por fim, a nutrição é outro fator importante. Alguns tutores fornecem a suplementação de cálcio inadequada durante a fase de crescimento do filhote, causando distúrbios nutricionais que interferem na formação das estruturas ósseas. Essas más formações impedem um encaixe perfeito do acetábulo do fêmur com a articulação.

De modo geral, a displasia coxofemoral em cães está bastante associada a:

  • idade, já que animais idosos apresentam o problema com mais frequência; 
  • peso (obesidade); 
  • raças predispostas

Principais sinais clínicos da displasia coxofemoral em cães

Alguns sinais podem te ajudar perceber que o cão está sendo afetado pela displasia coxofemoral. Como por exemplo, o cão passa a caminhar e/ou correr com dificuldade, as passadas ficam curtas e provavelmente passará também a rejeitar qualquer exercícios exigidos pelo tutor.

Ainda mais, os animais acometidos pela doença podem ainda apresentar:

– Dor no quadril

– Atrofia da musculatura

– Manqueira ou claudicação

– Dificuldade para levantar do chão

-Dedução das atividades físicas (mobilidade prejudicada);

 -Limitação dos movimentos, perda de massa muscular na região da coxa;

-Membros mais rígidos;

O diagnóstico é feito pelo médico veterinário, que ao palpar a região do quadril e coxas do animal notar estalos ou inchaço ou se o animal apresentar dores ao andar. Porém, para concluí-lo é necessário realizar o raio-X, que é o melhor método de confirmação da enfermidade.

Tratamentos possíveis

Em relação ao tratamento, ele sempre deve ser indicado por um médico veterinário com experiência na área. Antes de tudo, a displasia coxofemoral em cães é classificada em leve, moderada ou severa. Em seguida, o médico veterinário indica o tratamento específico para o cachorro.

Na maioria das vezes, o tratamento da displasia coxofemoral em cães atua no sentido de reduzir ou parar a lesão e evitar que o animal perca ainda mais os movimentos. Além de, claro, aliviar a dor.

De todo modo, basicamente pode variar em duas formas: tratamento clínico e cirúrgico. A escolha de qual é a melhor terapia depende da avaliação do Médico Veterinário, que vai utilizar os exames de imagem e o histórico do animal como base para a decisão. 

Tratamento clínico

O tratamento clínico está baseado na administração de medicamentos anti-inflamatórios, alteração da dieta, sessões de fisioterapia e consumo de mantenedores e regeneradores articulares. 

Tratamento cirúrgico

Por outro lado, o tratamento cirúrgico deve ser adotado apenas em casos mais extremos. As técnicas mais utilizadas por médicos veterinários são a osteotomia (corte do osso ou de uma parte para corrigir uma deformidade) e a colocação de uma prótese conhecida por PTQ (Prótese Total de Quadril). Vale lembrar que a indicação cirúrgica depende da idade do animal, das condições físicas e da gravidade do caso.

É importante que o médico veterinário oriente os tutores quanto a prevenção da displasia coxofemoral em cães. Alimentação adequada, atividade física regular e pisos antiderrapantes são boas iniciativas.

No entanto, caso o animal pertença ao grupo de raças predispostas é recomendado ainda a realização do exame radiográfico conhecido como PennHIP, que pode ser feito a partir dos quatro meses de idade com o objetivo de avaliar a probabilidade do animal desenvolver a doença com o passar do tempo.  É importante ainda que o animal que apresente esse distúrbio não se reproduza pois há grandes chances dos filhotes também desenvolverem o problema. 

Você, médico veterinário, já deve saber que a intervenção cirúrgica ortopédica exige um conhecimento bastante aprofundado por parte do cirurgião que irá realizá-la, não é mesmo?

A demanda dessa área é muito boa e quanto mais preparado você estiver, maiores são as chances de ter aquela maravilhosa sensação de dever cumprido. Para isso veja essa dica de sucesso:

Curso de Cirurgias Ortopédicas em Pequenos Animais

Fontes: Revista Veterinária e Canal do Pet 

  • 165
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Artigos Relacionados