Diagnóstico e tratamento de obstrução por corpo estranho

  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
obstrução por corpo estranho

Pequenos animais podem sofrer obstrução por corpo estranho, um grave problema causado pela ingestão de objetos, que podem se alojar em órgãos do sistema gastrointestinal e não serem digeridos. A depender do tamanho, origem, formato e estrutura do objeto, os casos podem se tornar graves e levar o cão ou gato à morte. 

Continue a leitura deste artigo e conheça as principais ocorrências em cães e gatos, os sinais clínicos que indicam a obstrução por corpo estranho e os riscos para a saúde animal. Veja também como o exame de ultrassom auxilia na precisão e agilidade do diagnóstico.

Principais incidências 

Cães e gatos estão suscetíveis a engolir materiais que não são comestíveis por curiosidade, sobretudo filhotes. O ato de colocar objetos na boca é tido como uma forma de o animal se entreter. Porém, a incidência desse problema é comum em atendimentos clínicos e pode acometer animais de qualquer idade.

A obstrução por corpo estranho pode ser oriunda da ingestão de tecidos, linhas, fragmentos de ossos, pedaços de móveis, pequenos objetos espalhados pelo chão, brinquedos, os quais podem ficar parados em estruturas do sistema gastrointestinal, como esôfago, estômago e intestino, órgãos mais propensos. Assim, interrompem o fluxo de alimentos e água pelo trato e, consequentemente, o funcionamento normal do organismo.

Há casos de eliminação dos corpos estranhos após 36 horas, sobretudo quando os objetos engolidos são fragmentos pequenos e que não obstruem os órgãos. Assim, não há sinais clínicos. Contudo, em muitos casos, os tutores não veem a situação e se deparam com os animais sofrendo com reações e sintomas estranhos.

Sinais clínicos de obstrução por corpo estranho

Os sinais clínicos mais comuns são: 

  • vômito agudo ou persistente;
  • irritação da mucosa;
  • distensão gástrica;
  • excesso de saliva;
  • sem movimentos peristálticos;
  • apatia;
  • desidratação;
  • desnutrição;
  • alterações inflamatórias;
  • perfuração dos órgãos.

Quando a obstrução por corpo estranho causa perfuração, o animal pode apresentar excesso de líquidos e gases, se o estômago for perfurado; quadros de pleurite, se o esôfago for perfurado. A gravidade desses casos exige que o médico veterinário implemente ações imediatas para garantir a vida do paciente.

Diagnósticos e tratamentos

Em muitos casos, a tomada rápida de decisão é primordial para salvar a vida do animal. Por isso, a ultrassonografia é fundamental para o diagnóstico de obstrução por corpo estranho, visto que possibilita identificar a localização e a posição exatas do objeto. Desse modo, o profissional saberá o estado de saúde do paciente, as consequências naquele órgão e quais medidas de intervenção serão necessárias para o tratamento. 

O raio-x também ajuda nas análises. Muitos corpos estranhos são radiopacos, ou seja, não refletem o raio e, assim, aparecem nas imagens. Porém, a precisão do exame é menor que o ultrassom.

Os tutores devem estar atentos para não deixar nenhum objeto que ofereça perigo próximo aos cães e gatos, e nem mesmo oferecer materiais que lhes confiram risco. Se perceber alterações comportamentais e físicas no animal, o responsável deve procurar imediatamente o médico veterinário.

Ao atestar a obstrução por corpo estranho e avaliar a situação do paciente, o profissional pode conduzir o tratamento via endoscopia para retirada do objeto. Se a obstrução do trato for extensa e estiver ocasionando graves complicações, o tratamento recomendado é cirúrgico. Quanto antes realizado, as chances de recuperação da saúde serão grandes. 

Faça o Curso de Ultrassonografia em Pequenos Animais e entenda a necessidade de implementar o exame nas consultas clínicas. Saber conduzir e interpretar os resultados é essencial para o diagnóstico acurado, fundamental em situações emergenciais e para manter o bem-estar animal. Nas aulas, os estudantes têm oportunidade de trabalhar na prática com diferentes modelos de equipamentos, proporcionando treinamento intensivo e individual.

Fontes: VetPlus; Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária; CRV Imagem.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Artigos Relacionados