Conheça as patologias espermáticas em bovinos e seu impacto na reprodução

  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
patologias espermáticas em bovinos

As patologias espermáticas em bovinos são um dos grandes problemas enfrentados na área de reprodução e afetam diretamente a aplicação de biotécnicas. Quando o touro não é avaliado precisamente, podem existir doenças que acometem  o potencial do sêmen animal  que não ficaram evidentes devido a resultados obtidos de forma inadequada. 

A má condução do procedimento afeta a produtividade do rebanho e a lucratividade da propriedade. Logo, inserir o exame andrológico torna-se uma medida fundamental para evitar quaisquer contratempos. Conjuntamente, os exames físicos e laboratoriais auxiliam na escolha acurada de quais serão os machos envolvidos na reprodução.

Continue a leitura deste artigo para conhecer as patologias espermáticas em bovinos e os impactos causados desde o sêmen até os resultados. Em seguida, veja a necessidade da implementação do exame andrológico para averiguar a presença de doenças.

Patologias espermáticas em bovinos

Duas patologias espermáticas em bovinos se sobressaem no setor: hipoplasia epididimária e aplasia segmentar. Ambas são doenças transmitidas hereditariamente, se apresentam desde o nascimento animal e afetam o epidídimo, uma estrutura reprodutiva que realiza a condução, o armazenamento e o amadurecimento dos espermatozóides.

À medida que esses problemas se agravam pode gerar espermatocele, que é uma formação de uma bolsa anormal no epidídimo. O veterinário precisa conduzir as análises da estrutura apalpando e, se for constatada alterações, o touro não deve ser empregado no processo, já que o gene deletério é passado para os filhotes.

Durante os atendimentos, epididimite e espermatocele são destaque entre as patologias espermáticas em bovinos. Gerada por infecções primárias ou secundárias, a epididimite afeta a qualidade do sêmen, diminuindo os índices de fertilidade e, até mesmo, tornando os animais estéreis.

Exame andrológico

Para detecção das patologias espermáticas em bovinos, é fundamental o exame andrológico. Nesse procedimento, a saúde física e o sêmen do macho são avaliados.

Primeiro, o exame clínico geral envolve a análise do histórico animal, procedendo à inspeção dos aparelhos respiratórios, cardíacos, locomotores e sensoriais. O veterinário segue o exame andrológico para o aparelho reprodutor. Logo, os órgãos a serem investigados são:

  • testículos
  • pênis
  • epidídimos
  • prepúcio
  • glândulas anexas

Feita a palpação, recomenda-se o uso da ultrassonografia. O exame de imagem é fundamental para saber se há patologias e alterações na fisiologia das gônadas.

O exame laboratorial do espermograma ajuda na checagem da qualidade do sêmen, bem como a motilidade e concentração espermática. É nessa fase que são detectadas as patologias espermáticas. Conclui com o exame comportamental colocando o touro em presença da vaca em estro.

Fique atento ao prazo de validade do exame andrológico. O limite é de um mês, o que exige renovação das análises com periodicidade conforme a necessidade do processo reprodutivo. Para propriedades que vão comprar machos, o pedido de avaliações recentes é crucial para evitar prejuízos com doenças no esperma e sistema reprodutor.

O exame andrológico é decisivo no setor de reprodução para saber o estado de saúde dos touros e selecioná-los. O Curso de Exame Andrológico e Congelamento de Sêmen Bovino ensina como realizar o procedimento e congelar o sêmen de forma prática. Dessa forma, você se destaca na área e aumenta a lucratividade.

Fontes: Revista Veterinária; Passei Direto; Biológico; CBRA.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Artigos Relacionados