Veja quais são os fatores que influenciam na perda embrionária em bovinos

  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
perda embrionária em bovinos

Um dos fatores que afetam a lucratividade da propriedade e o potencial reprodutivo é a perda embrionária em bovinos. Esse problema acontece com a interrupção da gestação com até 42 dias de desenvolvimento, sobretudo entre o 7º e 16º dia em que a fêmea está em processo de reconhecimento gestacional.

Em vista disso, o veterinário precisa fazer o monitoramento frequente das fêmeas para saber como está a evolução gestacional e traçar estratégias para reduzir a incidência do problema. Caso seja constatada a perda quanto antes, o animal poderá novamente entrar no ciclo estral e ser inseminado.

Continue neste texto para conhecer as ocorrências e causas da perda embrionária em bovinos. Ainda entenda como identificar e o que fazer após o diagnóstico.

Ocorrência da perda embrionária em bovinos

Antes de compreender como ocorre o problema, é importante diferenciá-lo do aborto e natimortos. Perdas a partir de 42 dias até 260 dias é chamada aborto, visto que é a interrupção do desenvolvimento fetal. Se isso acontece após 260 dias, o bezerro já está formado, mas quando o animal morre é chamado natimorto.

A perda embrionária em bovinos ocorre quando o útero da fêmea não consegue reabsorver o feto e precisa expelir do corpo. Corresponde de 25 a 40% das falhas gestacionais identificadas no campo. Se isso ocorre nos 18 primeiros dias, o veterinário não consegue estabelecer se foi morte do embrião ou falha na concepção.

A classificação é feita entre:

  • morte embrionária precoce
  • morte embrionária tardia

Casos precoces são identificados entre a concepção e o 27º dia. Já tardios, ocorrem do 28º ao 42º dia.

Causas

São diferentes causas da perda embrionária em bovinos, sendo as infecções com maior incidência nos animais. Contudo, são três fatores:

  • ambientais
  • infecciosos
  • endocrinológicos ou genéticos

As alterações ambientais representam grande parte dos casos de perda embrionária em bovinos, visto que mudanças na temperatura atrapalham o cio e a gestação, trazendo impacto nos gametas, na evolução gestacional e no útero da vaca. 

Além da temperatura, a umidade relativa do ar incide sobre os animais. Se estiver muito alta, haverá problemas para eliminação do calor do corpo pela evaporação. Altas temperaturas junto à grande umidade agravam os problemas reprodutivos.

Outra questão se dá ao manejo nutricional. Quando conduzido de forma desequilibrada entre concentrado e volumoso, a chance de perdas aumenta, seja fetal ou na concepção. Por isso, é fundamental oferecer dieta saudável aos animais antes mesmo dos processos de inseminação.

Os fatores genéticos, por sua vez, são associados à translocação cromossômica 1-29, responsável por interferir na fertilidade e impedir o desenvolvimento do feto no útero. Essa questão genética acontece quando são empregados animais com mudanças genéticas   para reprodução ou parentes, o que acarreta bovinos consanguíneos.

As causas endócrinas são ligadas ao hormônio progesterona no começo da prenhez. Assim, a ação do corpo lúteo torna-se primordial para o sucesso da gestação. Os fatores sanitários também prejudicam a rentabilidade, fundamentalmente, em razão das doenças infecciosas e contagiosas. Por exemplo, brucelose, campilobacteriose, diarreia viral bovina, rinotraquíte infeciosa bovina e tricomoníase.

Identificação do problema

Importante frisar que a prevenção é a medida principal para o problema. Evitar o estresse térmico, não submeter o animal a condições físicas degradantes, manter a alimentação equilibrada, garantir o escore corporal normal ou mais elevado para o feto conseguir se desenvolver no útero.

Quando o veterinário atesta a perda embrionária em bovinos, ele precisa checar o que causou o prejuízo. O ideal é manter o acompanhamento de cada animal com avaliação reprodutiva das vacas e exame andrológico nos touros. Para isso, a ultrassonografia é essencial na identificação das estruturas internas, averiguar doenças em desenvolvimento, assim como a gestação.

O Curso de Ultrassonografia na Reprodução Bovina é ideal para crescer na área. Essa técnica permite o diagnóstico precoce de gestação, sexagem fetal e avaliações do trato reprodutivo. Invista em capacitação profissional e se destaque.

Fontes: Milk Point; Faef; EducaPoint; Embrapa.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Artigos Relacionados