Entenda o papel da Ultrassonografia na IATF em Bovinos

  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
Ultrassonografia na IATF

A ultrassonografia na IATF em bovinos é uma técnica que vem sendo muito utilizada na rotina clínica por promover ganhos na eficiência reprodutiva. 

A Inseminação Artificial em Tempo Fixo possui diversas vantagens, inclusive é uma excelente oportunidade para aumentar a lucratividade do pecuarista. Porém, para garantir resultados ainda melhores é fundamental fazer uso de outras tecnologias como a Ultrassonografia.

Quer saber mais sobre a IATF e como a ultrassonografia pode contribuir para melhorar os resultados dessa biotecnologia? Continue a leitura até o final e confira muito mais sobre esse assunto. 

O que é IATF

A Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) é uma biotécnica reprodutiva que utiliza a sincronização dos cios e inseminação artificial.  

A sincronização dos cios tem como objetivo concentrar todo o trabalho de inseminação artificial em um único período. Assim é possível melhorar também a eficiência reprodutiva. 

Com a sincronização, é possível eliminar a necessidade de observação do cio das vacas, diminuindo assim os riscos de falhas muito comuns nessa observação. 

A técnica ainda possui a vantagem de ajudar a concentrar os partos e a maior produtividade da vaca para um momento desejado como quando o preço do leite é mais vantajoso para o produtor, ou quando há mais pasto. Com os nascimentos concentrados o desmame também pode ser planejado para as melhores épocas do ano.

O procedimento é realizado em dias predeterminados, após a administração de medicamentos. O primeiro hormônio é aplicado 10 dias antes, é  e serve para garantir a sincronia do dia da ovulação e induzir o crescimento sincronizado de folículos. 

Oito dias depois, mais um hormônio é aplicado para fazer regredir algum corpo lúteo que esteja presente no ovário. No dia seguinte, mais uma dose do primeiro hormônio para induzir a ovulação sincronizada de todos as fêmeas.

24 horas depois acontece a inseminação artificial em todas as vacas, este é conhecido como o “Dia 0”. 

Essa técnica é um tendência mundial que começou a ser usada primeiramente nos Estados Unidos há cerca de 25 anos, mas já está no Brasil há mais de 15 anos. 

A IATF é considerado com uma das principais ferramentas para o melhoramento genético já que potencializa o aumento da quantidade de bezerros frutos de inseminação artificial. 

Como melhorar os resultados com a Ultrassonografia na IATF

Por volta de 30 dias após a IATF todas as vacas precisam passar pelo exame de ultrassonografia convencional para verificar se estão prenhas ou vazias. Com o diagnóstico feito, as vacas que não ficaram prenhas vão passar novamente pelo protocolo de IATF. 

Essa segunda IATF é conhecida como técnica de ressincronização e também pode ser feita com 22 dias, ou seja, antes mesmo de diagnosticar a gestação. Porém, os custos são mais elevados. 

A escolha de 22 ou 30 dias para início do protocolo de ressincronização vai depender de fatores como o sistema de produção, o manejo de pastos, os custos, a disponibilidade de mão de obra e os objetivos do produtor.

A boa notícia para os produtores que desejam encurtar o tempo entre os procedimentos, mas desejam ter a garantia de diagnóstico de gestação é que com aparelhos de ultrassom Doppler de ovário o diagnóstico pode ser realizado de forma precoce, por volta do dia 20. Assim o processo pode ser encurtado em 10 dias.

Vantagens da ultrassonografia

Além de ser fundamental para o diagnóstico precoce de gestação, outras contribuições da ultrassonografia são:

  • Avaliação e monitoramento do sistema reprodutivo da fêmea bovina ao longo do ciclo estral e durante a gestação;
  • Avaliação de matrizes para iniciarem o programa de IATF;
  • Estimar a funcionalidade do corpo lúteo para seleção de receptoras;  
  • Monitoramento da dinâmica folicular; 
  • Exame do processo de ovulação; 
  • Morfologia do corpo lúteo;
  • Avaliação da viabilidade embrionária e fetal; 
  • Diagnósticos de alterações patológicas nos órgãos e tecidos reprodutivos da fêmea; Diagnóstico de afecções reprodutivas como cistos ovarianos e infecções uterinas no período pós-parto. 

A Ultrassonografia na IATF, assim como em outras biotécnicas reprodutivas pode contribuir muito na melhoria dos resultados porque permite uma avaliação completa das características reprodutivas do animal. Assim as vacas que apresentam alguma patologia ou alteração podem ser encaminhadas para o tratamento ou serem descartadas, o que evita perdas no protocolo.

No momento da IATF o exame ultrassonográfico também é muito valioso para avaliar o diâmetro do folículo. Isso serve para identificar se o animal pode ter uma ovulação entre a janela do momento da deposição do sêmen e até o final da viabilidade espermática.  

Além disso, é uma técnica lucrativa, moderna, não invasiva e de alta precisão. O método possibilita realizar diagnóstico precoce de gestação, sexagem fetal e avaliações reprodutivas de forma rápida para a tomada de decisão no manejo reprodutivo.

Treinamento na área

Porém, a ultrassonografia na IATF requer o treinamento e aprendizado técnico preciso para a correta interpretação da imagem, associada ao exame detalhado do animal. Assim, o ideal é que seja realizado por profissionais experientes e que dominem a técnica.

Portanto, se você deseja inserir nesse mercado restrito e bem remunerado para prestação de serviços especializados, você precisa investir na sua capacitação. Conheça o Curso de Ultrassonografia na Reprodução Bovina do CPT Cursos Presenciais e aprenda essa técnica fundamental para aumentar a eficiência reprodutiva dos rebanhos bovinos. Para mais informações clique aqui.

Fontes:

Rev. Bras. Reprod. Anim., Embrapa, Shop Veterinário  

  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Artigos Relacionados