Vacinação em bovinos: passo a passo para ficar em dia

  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
vacinação em bovinos

Manter a vacinação em bovinos em dia é fundamental para prevenir o desenvolvimento de doenças causadas por microrganismos. Diferente dos medicamentos usados para combater doenças, as vacinas têm o papel de induzir à produção de anticorpos pelo organismo para defender do ataque de agentes etiológicos. 

Vacinar o rebanho é primordial para reduzir a taxa de circulação de microorganismos causadores de patologias entre os animais. A aplicação sistemática conforme o calendário vacinal permite que certas doenças sejam erradicadas ou tenham sua transmissão controlada e reduzida. Esse processo garante rentabilidade à propriedade e uma produção saudável.

Neste artigo, saiba quais são as principais vacinas que devem ser aplicadas no rebanho bovino, o calendário de vacinação e os modos pelos quais devem ser feitas as aplicações nos animais.

Principais vacinas e calendário para aplicação no rebanho bovino

Uma das etapas do manejo sanitário é a vacinação em bovinos. Contudo, conhecer as principais vacinas e seus períodos de aplicação é parte essencial para os cuidados com o rebanho. 

Febre aftosa

O pecuarista deve ficar atento ao calendário de vacinação em bovinos contra a febre aftosa divulgado anualmente pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). É fundamental consultar a planilha divulgada pelo governo federal para saber o planejamento e as excepcionalidades de cada estado. Em Santa Catarina, por exemplo, não há aplicação.

Brucelose

Já a vacinação contra brucelose é aplicada em dose única e para fêmeas de três a oito meses. A aplicação é executada por médicos veterinários de acordo com as recomendações sanitárias.

Clostridiose

A clostridiose tem vacina para todos os bovinos, sendo que a primeira dose é tomada ainda com dois meses de vida, seguida pelo reforço após um mês, para os bezerros com mães imunizadas. Se as fêmeas não foram imunizadas, é preciso que os filhotes tomem a primeira dose com duas semanas de vida, reforço após um mês e revacinação depois de seis meses. Além de ser necessário conduzir a revacinação anual.

Leptospirose

Contra a leptospirose, os animais de quatro a seis meses precisam receber o imunizante. O reforço é feito depois de quatro semanas, assim como a vacinação contra a doença precisa ser continuada semestralmente ou com períodos mais curtos. Tudo em conformidade com os médicos veterinários especializados.

Raiva Bovina 

A raiva bovina tem vacina e é aplicada nas regiões com presença de morcegos que se alimentam de sangue. Se surgirem casos da patologia, todos os animais precisam do imunizante anualmente. São recomendadas duas doses intercaladas com 30 dias e revacinação todos os anos.

Carbúnculo

Também há vacinação em bovinos contra carbúnculo. A doença é chamada também por manqueira e desenvolve um quadro de infecção contagiosa e inflamação muscular nos animais. A vacina é aplicada em todos os bovinos após três meses de idade. A prescrição é aplicá-la semestralmente, ou seja, em períodos de seis em seis meses até que o animal tenha dois anos.

IBR e BVR

A vacina contra IBR e BVR, por sua vez, é aplicada no terceiro mês de vida dos bovinos, reforçada após quatro semanas e depois devem ser revacinados com dose única todos os anos. Importante destacar que a vacinação, no mês anterior à monta, deve ser executada nos animais em período reprodutivo.

Como realizar a aplicação da vacinação em bovinos?

Segundo o manual de boas práticas de vacinação e imunização de bovinos produzido pela Embrapa, há pontos fundamentais que os pecuaristas devem ter atenção no ato de vacinação em bovinos:

  • planejamento
  • aquisição
  • conservação das vacinas
  • local para vacinação
  • agulha
  • contenção e aplicação
  • vias de aplicação

Planejamento

O planejamento envolve a análise da saúde do rebanho, conhecimento das patologias endêmicas, investigação das doenças que surgiram na propriedade e busca por informações dos órgãos reguladores oficiais sobre o procedimento vacinal e de diagnóstico de doenças. Essa etapa deve ser feita junto ao médico veterinário para ser elaborado um calendário com as datas para aplicação dos imunizantes nos bovinos. Por isso, a consulta ao calendário oficial do Mapa e dos estados ajudam na organização.

Aquisição

Para a aquisição, necessita-se adquirir vacinas aprovadas pelo Mapa e em locais autorizados para a comercialização. Além disso, deve-se saber quantas doses precisam ser compradas. A conferência dos rótulos e a emissão de notas fiscais são parte do processo. 

Conservação das vacinas

A conservação de vacinas garante sua preservação. Logo, mantenha o produto armazenado na temperatura ideal desde a compra de modo a não congelá-la e nem aquecê-la. Não seguir esse passo corretamente implica em prejuízos e ineficácia do imunizante, consequentemente, trazendo problemas ao gado.

Durante a vacinação

Durante a vacinação em bovinos, o animal precisa ser contido para não se movimentar ou ficar agitado. Para tanto, a contenção deve ser feita com cuidado no local para vacinação. Logo, o espaço precisa ser tranquilo.

Cuidado com as agulhas

As agulhas precisam ser escolhidas conforme a viscosidade do imunizante e o tipo de via de aplicação (subcutânea ou intramuscular). As recomendações da Embrapa envolvem esterilização em água fervente, substituição da agulha a cada dez aplicações, descarte de forma adequada, eliminação de agulhas com problemas, uso de uma agulha específica para a retirada do imunizante do frasco e não utilizar produtos fora do prazo de validade. Também deve haver calibração das pistolas.

Após a vacinação em bovinos, os animais precisam voltar para o ambiente de costume, sempre com precaução, e com o oferecimento de água e alimentação.

Portanto, a aplicação de vacina requer cuidados com os animais. Por isso, é fundamental conhecer a bovinocultura e sua anatomia básica. Para tanto, o Curso de Primeiros Socorros em Bovinos também aborda esse assunto em aulas práticas para que você possa ter segurança para realizar a vacinação no rebanho

Fontes: Mapa; Ouro Fino Saúde Animal; Embrapa; Boi Saúde; Dia de Campo; CNA Brasil.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Artigos Relacionados