Como funciona a anestesia em cirurgia oftalmológica de pequenos animais

  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
anestesia em cirurgia oftalmológica

A condução na anestesia em cirurgia oftalmológica deve ser realizada por profissionais capacitados e exige precisão para resguardar o bem-estar animal. Hoje, com os avanços na área, há diferentes métodos de anestesia locorregional que garantem a segurança do paciente e a eficácia do procedimento, sem trazer transtornos para a saúde.

Procedimentos oculares são delicados e necessitam de veterinários especialistas. Isso se deve ao fato de ser uma região delicada, em que qualquer movimento errado, a visão pode ser comprometida.

Neste artigo, você vai conhecer como é realizado o processo anestésico em cirurgias oftalmológicas ou oculares em pequenos animais.

Realização da anestesia em cirurgia oftalmológica

O primeiro tópico que deve ser ressaltado é a imobilização do paciente para a sedação. Isso evita que o animal se mexa e fique estressado durante a realização. Casos específicos, como a retirada de objetos presentes na córnea, não exigem completa imobilização e permitem o uso de medicação anestésica local. 

Técnicas

Há quatro formas de fazer a anestesia em cirurgia oftalmológica:

  • Retrobulbar;
  • Peribulbar;
  • Palpebrais;
  • Anestesia da superfície ocular.

O uso retrobulbar permite ao veterinário conduzir cirurgias de catarata, glaucoma e de remoção de neoplasias, enucleação, evisceração, restituição e sutura de machucados que penetraram no olho. O auxílio do equipamento de ultrassonografia traz precisão para execução da anestesia em cirurgia oftalmológica até o fim da intervenção médica.

No modo peribulbar, aplica-se anestésico local na região externa do cone muscular retrobulbar. Outro nome para a técnica é a injeção extracional, justamente pelo fato de ser um meio que resguarda a saúde do animal. Outra recomendação é para procedimentos intraoculares.

A palpebral, por sua vez, permite usar baixas doses de anestesia e, com isso, não modifica a órbita ocular em razão de compressão. Contudo, existem relatos de compressão local, quemose. Suas aplicabilidades são em cantoplastia, ressecção de cunha e outros usos.

A anestesia em cirurgia oftalmológica de superfície ocular recorre a colírios com efeito anestésico juntamente à anestesia de córnea e geral. Nesse caso, o profissional deve conhecer a dosagem, o tempo de efeito e os efeitos colaterais. 

Logo, para uma anestesia efetiva, exige-se manter a pressão intraocular (PIO) estável com números normais, bem como a cautela da ativação do reflexo óculo-cardíaco, ter baixo sangramento na região operada e o bloqueio total do bulbo ocular. O despertar precisa ser gradual e seguir todos os protocolos necessários para que o animal retome a consciência com calma e evite qualquer contratempo.

Como se preparar?

Seguir o protocolo para anestesia em cirurgia oftalmológica é essencial para a segurança do paciente e condução correta do procedimento. Para isso, o Curso de Anestesia Locorregional em Pequenos Animais ensina como manusear o aparelho de neurolocalização de maneira precisa, assim como apresenta a técnicas analgésicas e informações sobre como evitar complicações.

Fontes: Revista Veterinária; USP; Unesp; UNIRV; RSD Journal.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Artigos Relacionados