Identificando um cavalo doente: sinais e possíveis causas

  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
cavalo doente

Você sabe reconhecer sinais de um cavalo doente? Diferentes doenças podem atingir os equinos e, consequentemente, afetar o bem-estar animal, o rendimento e, até mesmo, deixar sequelas para saúde ou levá-lo ao óbito. 

Em primeiro lugar, utilizar o manejo preventivo no trabalho rural e ter acompanhamento periódico com o médico veterinário são ações essenciais para manter a qualidade de vida equina. Confira, no artigo abaixo, como perceber se o cavalo está com sinais clínicos de doenças, as patologias mais comuns na área e como prevenir o surgimento de patologias.

Como saber os sinais de um cavalo doente?

Um cavalo doente demonstra que está enfrentando alguma desordem em seu organismo pelo comportamento e com sinais em seu corpo. Para tanto, os responsáveis pelo animal precisam ficar atentos aos indícios de desordens e observar frequentemente algumas regiões do corpo animal. 

A checagem dos dentes é fundamental para perceber se há lascas ou fragmentos pontiagudos que machucam a boca, prejudicando a mastigação, além de observar a existência do dente de lobo cuja extração é necessária.

A coloração dos olhos pode sinalizar problemas quando não estão claros e luminosos. As narinas não devem ter coriza. 

Outro ponto importante é a medição da temperatura, que precisa estar entre 37,5 e 38,5 °C. Afinal, temperaturas superiores exigem o contato imediato com  médico veterinário.

Os pelos sempre precisam ter brilho, visto que essa característica tem ligação direta com o manejo. Importante ressaltar que o apetite diz muito sobre a saúde do animal. O casco, por sua vez, não pode ser frágil, fraco ou longo. Casos assim demonstram que a alimentação está incorreta e precisa de ajustes no fornecimento de nutrientes. Já o peso precisa ser equilibrado e de acordo com o escore animal.

Os membros devem estar normais, sem edemas ou nódulos, permitindo a locomoção adequada do animal. Consequentemente, seus movimentos precisam ser livres, sem manqueira ou passadas curtas.

Por fim, ao verificar alterações no corpo do cavalo, o médico veterinário necessita ser acionado para avaliar clinicamente o paciente e averiguar seu quadro. Reconhecer desordens é essencial para tomar decisão rápida e salvar a vida do equino, visto que as patologias, em muitos casos, evoluem rapidamente e agravam o estado animal.

Por isso, fique atento aos sinais clínicos de dor, dificuldade de locomoção, cólicas, febre, cansaço e mudanças no comportamento, pois evidenciam o desenvolvimento de doenças.

Doenças mais comuns

A seguir, conheça as principais doenças que atingem os equinos.

Síndrome da cólica equina

Esse problema é um dos que mais acometem cavalos e podem levá-los à morte. As cólicas na região abdominal atingem o estômago ou o intestino, em virtude de manejo nutricional inadequado e estresse.

Doenças de casco

O casco, como apresentamos, pode sinalizar o desenvolvimento de patologias. Ter cuidado com essa parte do corpo dos equinos é fundamental para o rendimento e o bem-estar animal.

Problemas pulmonares

O manejo inadequado é responsável, muitas vezes, pelo surgimento de doenças respiratórias nos cavalos. Doenças crônicas e problemas em razão do ar nas cocheiras são típicos dos atendimentos clínicos.

Gurma equina

É uma doença respiratória bactericida. A transmissão é entre cavalos a partir da secreção nasal, ambientes compartilhados e objetos usados no manejo. Os principais sinais envolvem perda de peso, fluidos nasais, febre e garganta inflamada.

Anemia infecciosa

Essa doença virulenta também  é chamada de Febre dos Pântanos. Qualquer cavalo pode ser infectado, visto que os insetos transmissores se alimentam do sangue de animais contaminados e transmitem para outros. Seu nome tem ligação com a característica territorial, pois é mais recorrente em locais baixos, com pouca drenagem ou regiões de florestas.

Os sinais clínicos de um cavalo doente com anemia infecciosa são diminuição do peso, febre, problemas para locomover, cabeça abaixada e frequência respiratória elevada.

Influenza equina

A gripe ou tosse cavalar é uma patologia virulenta cuja transmissão ocorre entre equinos. Trata-se de uma doença altamente contagiosa e provoca febre, tosse, garganta inflamada, diminuição do apetite, aumento da respiração, calafrios e corrimentos. 

Importante destacar que espaços com grande número de animais são suscetíveis ao problema. Por isso, a recomendação é sempre manejo com pequenos grupos e ambientes higienizados com recorrência.

Encefalite equina

A doença causada por vírus é transmitida por animais que se alimentam de sangue dos cavalos, como carrapatos e morcegos. Outra forma de contágio é pelas vias respiratórias e pelo trato digestório. 

O problema pode ser nomeado como falsa raiva, peste de cegar e doença de Aujesky. Seus sinais clínicos envolvem febre, pálpebras caídas, aumento da sensibilidade aos barulhos e ao tato, problemas para locomover e enxergar.

Doenças dermatológicas

Os problemas de pele podem deixar o cavalo doente. As mais comuns são: dermatofilose, edemas não cancerosos, problemas oriundos de picadas de inseto e infestação de parasitas, astenia dérmica regional hereditária e dermatite nos membros inferiores. 

Manutenção da saúde animal e medidas preventivas

Negligenciar práticas de cuidado no manejo equino resulta em problemas que poderiam ser evitados. Estabelecer, junto ao veterinário, um programa de sanidade na propriedade é fundamental para garantir o bem-estar dos cavalos. 

Garantir o fornecimento do colostro ao potro é essencial para o desenvolvimento de seu sistema imunológico. Para tanto, em até 36 horas após o filhote nascer, deve-se dar o colostro para sua imunidade passiva. Juntamente a essa medida, vacinar os animais ao longo da vida é fundamental para evitar a proliferação de doenças virais. Tais medidas profiláticas atuam no fortalecimento da imunidade do cavalo. 

Um cavalo doente pode ser resultante de condições de higiene irregulares em sua instalação. Constantemente, deve-se fazer a limpeza, o que evita doenças causadas por moscas e parasitas. Assim, o animal necessita de água limpa, fresca e em abundância, assim como alimentação equilibrada entre volumoso e concentrado.  

Portanto, percebemos que o diagnóstico precoce pode salvar a vida do animal. Saber identificar um cavalo doente é essencial para o dia a dia da propriedade. Com o Curso de Primeiros Socorros em Equinos, você aprende na prática quais são os sinais clínicos e as principais patologias que acometem os cavalos, assim como tomar decisões em situações de emergência. 

Fontes: Portal Agropecuário; Compre Rural; Vedovati; Perito Animal; Portal Agropecuário.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Artigos Relacionados