Cientistas buscam recriar raça extinta de boi gigante

  •   
  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Cientistas italianos querem criar um animal semelhante ao auroque, boi primitivo que media dois metros de altura, pesava quase uma tonelada e tinha chifres de 1,40 metro de comprimento. Essa espécie de boi gigante, o Bos primigenius, também conhecido como Uro, surgiu no norte da Índia há dois milhões de anos. Ela foi declarada extinta em 1627, quando a última fêmea morreu nas florestas da Polônia. Os italianos creem que, por ser muito resistente a condições adversas como frio, calor e pouca oferta de alimento, o auroque pode ser muito útil para a humanidade em tempos de aquecimento global. Para “ressuscitar” o animal, os cientistas do Consórcio para a Experimentação, Divulgação e Aplicação de Biotecnologia Inovadora de Benevento, no sul da Itália, pretendem cruzar três raças de bois similares ao auroque até chegar a um exemplar com DNA quase igual ao dele. Reconstrução de DNA As pesquisas com os fósseis do auroque começaram em 1996. Depois de mapear seu DNA a partir dos ossos, os cientistas identificaram quais raças atuais de bois mais se assemelham ao ancestral primitivo. Os resultados dessa análise levaram a pesquisadora holandesa Henri Kerkdijk, do Instituto Stiching Tauros, que também participa do projeto, a propor o cruzamento entre três raças: a italiana Maremmano Primitivo, a escocesa Scottish Highland e a espanhola Pajuna. Os cientistas italianos estão agora contando os dias para o nascimento do primeiro exemplar gerado a partir do cruzamento das três raças. O bezerro deve nascer em fevereiro, na Holanda. “Vamos reconstituir, passo a passo, a combinação genética do boi primitivo. Esse é um primeiro cruzamento de uma série. O animal recém-nascido vai nos dar material para usar em futuros cruzamentos”, explicou à BBC Brasil, Donato Matassino, diretor do consórcio que encabeça o projeto. “Vai levar alguns anos para chegar ao animal mais próximo do boi ancestral. [Além dos cruzamentos naturais] podemos usar também diferentes técnicas, como a inseminação artificial, a produção de embrião em vidro e, eventualmente, a clonagem”, diz Matassino. Foto: arquivosdoinsolito.blogspot.com

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •   
  •  
Sem categoria

Atualizado em: 8 de outubro de 2018

Artigos Relacionados