Conheça as 5 cirurgias ortopédicas em cães mais comuns e se destaque!

  •   
  • 598
  •  
  •  
  •  
cirurgias ortopédicas em cães

A demanda por médicos veterinários aptos a realizarem cirurgias ortopédicas em cães com segurança cresce a cada dia. Os cães são animais propensos a esse tipo de procedimento tendo em vista o seu comportamento, já que podem se fraturar. E também propensão genética para alguns problemas ósseos.

Portanto, o profissional que deseja atuar nessa área precisa estar preparado para  tomar decisões objetivas e realizar manobras assertivas. São elas que irão fazer toda a diferença não só na preservação da vida do paciente como também tem um papel fundamental para aliviar as dores e melhorar a qualidade de vida do animal.

Por maior cuidado que se tem com os cachorros, eles estão sujeitos a tombos, acidentes com atropelamento ou qualquer outro acidente que resulte em fraturas em ossos, rupturas de ligamentos, degenerações em articulações ou músculos, por exemplo. Por isso, que o ortopedista veterinário é um profissional amplamente requisitado na clínica veterinária para executar com segurança as cirurgias ortopédicas em cães.

Quer saber quais são as ocorrências de cirurgias ortopédicas em cães mais frequentes, como se preparar para o procedimento e cuidados pós-operatórios.  Então, confira o próximo tópico:

Principais cirurgias ortopédicas em cães

#1 Luxação de patela

Bastante comum no dia a dia do atendimento clínico veterinário de cães e gatos, a luxação de patela prejudica a mobilidade e também muita dor ao animal. A patela, também conhecida como rótula é o osso do joelho do animal que tem o alinhamento com o quadril e sua principal função é segurar boa parte da estrutura óssea. Mas, quando há luxação acontece o desencaixe das articulações do joelho do animal.

A única maneira de tratamento da luxação de patela é o cirúrgico. Nesse procedimento,  a patela é recolocada em seu devido lugar, permitindo que o animal recupere seu apoio e mobilidade.

Quer saber mais sobre a luxação de patela? Então, dê uma olhadinha nesse artigo: Luxação de patela: uma das doenças mais comuns em cães de pequeno porte

#2 Fraturas

Causada por batidas, quedas, atropelamentos e outra série de pequenos acidentes. As fraturas podem causar outras complicações com a necessidade de intervenção de um o ortopedista veterinário.

Normalmente quando um animal sofre um trauma desses, o atendimento precisa ser rápido para minimizar a dor. A cirurgia ortopédica nesse caso, pode ser necessária em casos em que há necessidade de recolocação do osso. 

#3 Ligamento cruzado

Geralmente causado pelo excesso de força sobre a articulação, trauma ou até mesmo pelo excesso de peso do animal. O ligamento cruzado, é a ruptura crônica por fadiga progressiva das estruturas do joelho. Caso ocorra a completa ruptura do ligamento, a intervenção cirúrgica, normalmente é a melhor solução. Entretanto, além da cirurgia será necessário também o apoio de sessões de fisioterapia no pós operatório

#4 Hérnia de disco

Cães entre 3 a 7 anos podem apresentar degeneração crônica dos discos da coluna vertebral, que pode ser causada tanto por traumas quanto por desgaste natural da estrutura vertebral. Tal degeneração, exerce pressão entre as vértebras, provocando dores agudas e a impossibilidade do animal em se locomover de maneira normal.

Quando é diagnosticada em seu estágio inicial, a hérnia de disco pode ser tratada por medicamentos. Mas, se o cão não reagir ao tratamento ou a doença estiver em um estágio mais avançado a melhor opção é a cirurgia.

#5 Displasia Coxofemoral

Uma doença de má formação genética, com degeneração da articulação do quadril que costuma afetar cães de grande porte. A displasia coxofemoral se caracteriza pela desigualdade entre a massa muscular e o rápido crescimento ósseo. Em outras palavras, a enfermidade causa instabilidade pelo fato do desenvolvimento dos ossos não seguir o dos músculos e pode ser muito dolorosa ao pet.

Quer saber quais são as raças mais acometidas pela doença? Então, dê uma olhadinha nesse artigo: Displasia coxofemoral em cães: Veja aqui tudo que você precisa saber

Claro que nem todos os pacientes atendidos necessitam de uma intervenção cirúrgica. Mas, em todos os casos quanto mais cedo o problema for identificado maiores são as chances de sucesso no tratamento. Por isso, é preciso ficar atento ao primeiro sinal de problemas ortopédicos. 

Quer saber quais são? Veja a seguir:

Principais sinais de problemas ortopédicos em cães

Além da dificuldade de locomoção, há uma série de sinais típicos que podem ser notados nos animais com alguma doença ortopédica, entre eles podemos destacar:

  • Perda de apetite
  • Dor ao se mover
  • Relutância para levantar ou deitar
  • Dificuldade para urinar e/ou defecar
  • Evitar apoiar ou usar um membro específico ao se mexer
  • Morder ou lamber excessivamente alguma parte do corpo
  • Não se mexer ou passar muito tempo em uma mesma posição

Raças de cães com propensão de problemas ortopédicos

Mesmo que todos os cães tenham uma certa probabilidade de adquirir em sua vida algum problema ortopédico, principalmente devido algum tipo de acidente, existem algumas características que podem aumentar bastante o aparecimento de complicações ortopédicas na vida de um animal.

Em casos de cães de grande porte, os mais acometidos são:

  • Rotweiller
  • Dogue Alemão
  • Pastor Alemão
  • Golden Retriever
  • Labrador Retriever

Já entre os animais menores, podemos destacar:

  • Maltês
  • Poodle
  • Pinscher
  • Yorkshire
  • Dachshund
  • Lhasa Apso

Cuidados pré e pós operatórios

Antes da Cirurgia

Assim que observada a necessidade de cirurgia ortopédica em cães, é preciso preparar o corpo do animal para suportar o procedimento.

Antes da cirurgia, o primeiro passo deve ser fazer um exame geral do cão para determinar o melhor caminho para a cirurgia e definir o melhor tipo de anestesia em cada caso. Em seguida, deve-se fazer uma revisão pré-cirúrgica, contendo as seguintes medições: 

  • Temperatura corporal: a presença de febre pode indicar algum tipo de infecção ou doença. Dependendo do resultado isso irá influenciar nas decisões tomadas no dia da cirurgia; 
  • Estado de hidratação: sua finalidade é determinar a quantidade de soro que será administrada para garantir a recuperação do bichinho;
  • Estados das mucosas; 
  • Check-up do coração e pulmão com auxílio do eletrocardiograma e uma avaliação do tórax; 
  • Análise de sangue e urina para observar o funcionamento dos rins, problemas hepáticos, disfunções arteriais, problemas de coagulação e complicações na respiração. 
  • Peso: animais acima do peso ou que estejam sofrendo de obesidade podem correr risco de vida durante a operação.

Todos esses exames são essenciais para tomar a melhor decisão durante a cirurgia, de acordo com o metabolismo e as características do bichinho. Também detectam doenças até então desconhecidas, permitindo que o melhor tratamento seja oferecido.

Além disso, é preciso instruir os donos quanto ao jejum para a cirurgia. É preciso que o cão esteja de esteja de estômago vazio, sendo necessária a remoção de água e comida na noite anterior. Normalmente o tempo médio de jejum é de 12h. 

Pós-operatório

Mesmo em cirurgias ortopédicas em cães mais  simples, o animal pode sofrer com complicações se os cuidados no pós-operatório não forem respeitados. Sendo assim, o médico veterinário precisar orientar o tutor sobre como lidar com o animal em casa. O ideal é servir pequenas porções de água e comida, oferecer os medicamentos corretamente segundo as orientações e controlar as atividades físicas enquanto a área não estiver recuperada.

Pode ser preciso que o animal utilize o colar elizabetano para evitar lambidas ou mordidas no local da incisão. Caso contrário, a região dos pontos pode contrair uma séria infecção. Além disso, se acontecer qualquer situação adversa, como inchaço, sangramentos, machucados, vômitos, é preciso examinar o animal imediatamente. 

Como atuar na área?

Por ter alta demanda de profissionais, a área de cirurgias ortopédicas em cães tem chamado atenção de diversos médicos veterinários. Mas, para que ela realmente dê resultados e aumente sua lucratividade é preciso que você tenha a capacitação necessária para atuar com segurança.

Se você não sabe por onde começar a dica é: domine e aprenda na prática desde as mais básicas às mais complexas técnicas cirúrgicas ortopédicas. Pois, somente com o conhecimento técnico você vai garantir o seu diferencial no mercado profissional

Sem contar, que dominá-las vai fazer toda diferença em seu currículo profissional. Isto é, vai possibilitar a você atuar em um mercado de grande potencial, mas com grande concorrência é o de pequenos animais. Por isso, oferecer um serviço diferenciado além do sucesso profissional ainda vai te proporcionar uma boa remuneração. Clique no banner abaixo e saiba como se capacitar! 

Fontes: VetQualy e Cachorro Gato

  • 598
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  
Pequenos Animais

Atualizado em: 20 de novembro de 2019

Artigos Relacionados