Diagnóstico de gestação em bovinos: 3 técnicas que você precisa saber!

  •   
  • 1.4K
  •  
  •  
  •  

O diagnóstico de gestação em bovinos é uma das partes mais importantes do manejo reprodutivo. Ele deve ser realizado com precocidade, depois da estação de monta ou após realizado o protocolo de Inseminação Artificial. Já que, quanto antes a prenhez for identificada maiores são as chances de minimizar os custos de produção. Tanto no descarte de animais improdutivos, quanto para rever algum tipo de problema gestacional, caso tenha ocorrido.

Ainda mais, com o diagnóstico de gestação em bovinos precoce é possível manejar melhor o rebanho com planejamento de alocação correta, nutrição balanceada para atingir eficiência reprodutiva.

A área da reprodução bovina chama atenção de muitos médicos veterinários pelo fato de ser rentável. E, para você, médico veterinário, que atua ou deseja ingressar na reprodução bovina, não basta apenas conhecer as biotécnicas reprodutivas precisa saber identificar a prenhez com precocidade, segurança e eficácia.

Quer conhecer as duas técnicas de diagnóstico de gestação em bovinos? Então, continue lendo esse artigo!

Diagnóstico de gestação em bovinos por palpação retal

diagnóstico de gestação em bovinos

Também conhecida na rotina de campo como toque, a palpação retal em bovinos é a primeira etapa de aprendizagem e requisito básico para todo veterinário que deseja ingressar na área da reprodução bovina. Sem dúvidas, ela é um método crucial para identificar as condições das estruturas internas do animal. Por isso, é necessário que você, médico veterinário, tenha o conhecimento profundo sobre a anatomia dos órgãos do animal.

A palpação retal é um dos exames mais tradicionais e de baixo custo para fornecer informações sobre as diversas situações da condição reprodutiva do animal. Além, de ser utilizada para diagnosticar a gestação.

Claro, que não podemos deixar de mencionar que é preciso muita prática para saber o que você está palpando. Por isso, é fundamental um treinamento prático e intensivo para o desenvolvimento da habilidade tátil de palpar os órgãos e distinguir as possíveis alterações. Posteriormente, relacioná-las às patologias reprodutivas e modificações uterinas decorrentes de gestação.

Com a palpação retal é possível:

  • assistência obstétrica;
  • estimativa da idade fetal;
  • avaliação da fase do ciclo estral;
  • averiguar as causas de infertilidade;
  • diagnosticar patologias uterinas e ovarianas;
  • realizar a verificação da saúde interna do animal.

É importante lembrar que se o profissional deseja atuar com reprodução bovina precisa dominar a palpação retal. Dado que, outras biotécnicas reprodutivas como IATF avançado, ultrassonografia, transferência de embriões e aspiração folicular para FIV também dependem da palpação.

Para um diagnóstico preciso da prenhez da vaca, além da palpação retal a técnica da ultrassonografia é muito utilizada. Então, veja mais sobre o assunto a seguir.

Ultrassonografia Modo B na reprodução bovina

Por ser uma técnica moderna, precisa e não invasiva a utilização da ultrassonografia para o diagnóstico de gestação em bovinos está cada vez mais difundida. Ela tem diversas aplicações na examinação do aparelho reprodutor, além do acompanhamento gestacional, desenvolvimento folicular e do feto ainda é possível:

  • confirmação da viabilidade fetal;
  • determinação do número de fetos;
  • sexagem fetal;
  • avaliações reprodutivas de forma rápida;
  • diagnóstico precoce da gestação entre o 29º dia pós-fecundação.

A técnica da ultrassonografia em Modo B, ou seja, preto e branco, apresenta grande eficácia, visto que possibilita a visualização em tempo real das estruturas analisadas. Entretanto, para o uso adequado é imprescindível a correta interpretação das imagens formadas. Assim como, o apropriado manuseio dos aparelhos e transdutores. Dessa forma, é preciso investir em capacitação profissional.

Ultrassonografia Doppler na gestação bovina

O ultrassom veterinário com o doppler é um grande aliado no diagnóstico da gestação bovina. Diferentemente do modelo tradicional que revela apenas imagens em modo B (escalas de cinza) e com isso mostra apenas o tamanho das estruturas e se elas são ou não funcionais, o doppler vai mais longe. Esse tipo de equipamento possibilita a tradução de movimentos do fluxo sanguíneo em cores e sons.

Dessa forma, é possível avaliar melhor o corpo lúteo, uma estrutura temporária nas fêmeas que surge em todos os ciclos reprodutivos após a ocorrência dos cios e a ovulação. Ele produz a progesterona, um hormônio essencial para o estabelecimento e a continuidade da gestação.

Então, se depois da monta ou inseminação artificial, a vaca fica prenhe, o corpo lúteo continua produzindo esse hormônio. Caso contrário, continua produzindo a progesterona por, no máximo, 18 dias e em seguida pode retornar ao cio.

A grande vantagem da utilização é a rápida identificação, em até 20 dias, de vacas que não foram empenhadas a partir da vascularização sanguínea na região. Desse modo, com o diagnóstico gestacional super precoce, podem ser submetidas novamente à monta ou a inseminação artificial.

Todos os métodos de diagnóstico de gestação em bovinos tem a sua importância. No entanto, é preciso conhecimento para saber qual é o mais adequado ao seu rebanho e a suas expectativas quanto a produção.

Quer aprender sobre cada um desses métodos? Confira as dicas de capacitação do CPT Cursos Presenciais.

Curso de Palpação Retal em Bovinos

Curso de Ultrassonografia na Reprodução Bovina

Fontes: VetSmart

  • 1.4K
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Artigos Relacionados