A importância da análise de indicadores econômicos da pecuária de corte

  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
indicadores econômicos da pecuária de corte

Com o crescimento das exportações de carne no Brasil, os responsáveis por realizar o manejo de animais de criação devem ficar atentos aos indicadores econômicos da pecuária de corte e saber analisá-los. Para a produção de carne bovina, estão envolvidos custos diversos ligados diretamente à lucratividade do negócio. 

O famoso ditado popular “o olho do dono que engorda o gado” é verdadeiro e, por isso, fazer a gestão correta da propriedade é fundamental para saber o que está gerando prejuízos, fazer ajustes e correções e traçar metas possíveis de serem alcançadas. O desempenho econômico, produtivo e ambiental está diretamente associado aos procedimentos de análise dos indicadores.

Para lhe ajudar a entender quais são os indicadores econômicos da pecuária de corte, neste artigo, reunimos como é feita a análise de índices e explicamos a importância da capacitação do gestor da fazenda.

Quais são os indicadores econômicos da pecuária de corte

Para confirmar a eficiência de uma atividade pecuária, é ideal saber quais são os indicadores. Eles auxiliam na otimização dos recursos, crescimento da eficiência bovina e execução correta de protocolos e manejos.

Entre os principais, destacam-se:

  • lotação e ganho médio diário
  • taxa de desmame
  • taxa de desfrute
  • referenciamento da equipe
  • produção de arroba/hectare/ano
  • desembolso por cabeça mensal
  • lucro por hectare anual

Modos de analisar cada índice

A seguir, veja sobre o que são os indicadores econômicos da pecuária de corte e suas avaliações.

Taxa de desmame

Para os pecuaristas saberem qual é o nível atual de fertilidade do rebanho, bem como o número de morte antes e depois dos partos, a taxa de desmame é um dos indicadores econômicos da pecuária de corte mais importantes. 

Taxa de desfrute

Esse indicador corresponde ao rendimento do rebanho. Assim, é examinado o crescimento de animais comparado à quantidade inicial.

Equipe

Os profissionais que trabalham na propriedade também precisam ser avaliados. Desse modo, é possível saber se cada um está cumprindo corretamente sua função, qual é o gasto com pessoal e, se for possível, implementar treinamentos especializados para desempenhar a sua função cada vez melhor. Indica-se fazer reuniões mensais com os funcionários para balanços das produções e conhecer as necessidades da equipe.

Produção por quilos e hectare anualmente

Entre os indicadores econômicos da pecuária de corte, é fundamental saber quantos quilos estão sendo produzidos a cada ano, pois esse índice representa o faturamento da propriedade.

Desembolso por cabeça mensal e lucro por hectare anual

São métricas para saber se as estratégias adotadas pela administração da propriedade, de fato, estão sendo eficazes. Dessa forma, é possível conhecer quanto está sendo o lucro e o que precisa ser ajustado. 

Importante salientar que o lucro é uma métrica que modifica conforme a localidade do Brasil. No geral, para o cálculo, são somados os gastos com despesas totais, a oscilação nos animais do rebanho e a área de pastagem.

Capacitação profissional

Hoje, há diferentes formas de ter o controle da gestão de sua propriedade. Métodos tecnológicos permitem ter todos os gastos e lucros anotados de forma digital e ao alcance sempre que necessário. Assim, as anotações sempre são atualizadas e não se perdem.

Por isso, é primordial buscar continuamente capacitação profissional para realização da administração correta da produção de corte. Saber interpretar as métricas ajuda na tomada de decisão, saber qual o cenário ideal para implementar novas estratégias, elevar os lucros e crescer no setor agropecuário. 

No Curso de Administração Técnica e Econômica da Produção de Gado de Corte, você conhece ferramentas de controle de custos e indicadores necessários para aumentar a lucratividade da bovinocultura. Ainda, aprenda a planejar de forma estratégica, reduza gastos e promova a liderança da equipe de sua propriedade.

Fontes: Revista Agropecuária; Portal DBO; UnB; Sebrae RS; Embrapa; UFRGS; Custos e Agronegócio Online.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Artigos Relacionados