Entenda os diferentes tipos de claudicação em equinos

  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
Entenda os diferentes tipos de claudicação em equinos
foto tirada em nossa fazenda escola

Saber identificar os tipos de claudicação em equinos é fundamental na clínica veterinária. Esse problema, chamado também por manqueira, consiste em modificações na estrutura e funcionamento de um ou mais membros do cavalo, o que gera graves complicações para o bem-estar animal. A manifestação pode ser visualizada com o cavalo em progressão ou em estado de estação. 

Por ser frequente nas consultas, médicos veterinários devem saber identificar os sinais clínicos e as causas para tratar. Entre os motivos mais comuns de claudicação, destacam-se contaminações por agentes infecciosos, traumas decorrentes de atividades físicas ou manejo inadequado, desordens no metabolismo, alterações notadas desde o nascimento ou adquiridas ao longo da vida do animal e, até mesmo, problemas no sistema circulatório e nervoso. É necessário frisar que podem ocorrer mais de uma causa simultaneamente. 

A seguir, confira cada um dos tipos de claudicação em equinos, o que caracteriza e as formas de intervenção para tratamento. 

Principais tipos de claudicação em equinos e diagnósticos

São quatro tipos de claudicação em equinos:

  • claudicação de membro de apoio; 
  • claudicação de membro de suspensão; 
  • claudicação mista;
  • claudicação complementar.

No momento em que um cavalo apoia-se em uma pata no chão e aguenta todo seu peso nela, trata-se da claudicação de membro de apoio. Nesse caso, acontecem problemas identificáveis em seu sistema locomotor, como lesão no membro, problemas ósseos e articulares e em seus nervos de função motora. 

A claudicação de membro de suspensão refere-se a alterações no movimento da pata. Isso acontece em função de modificações nos músculos, tendões de suspensão, bainhas tendíneas e cápsulas das articulações. 

A claudicação mista une alterações nos membros de apoio e de suspensão. Logo, reúne modificações estruturais em mais de um membro.

Por fim, a claudicação complementar faz com que o animal sinta muita dor no membro afetado. Isso se deve ao fato de haver uma divisão desigual de peso entre as patas. O problema, assim, afeta membros que, até então, estavam saudáveis.

Cabe destacar que pode acontecer mais de um tipo ao mesmo tempo, ou seja, pode haver interação entre os problemas. Em geral, essa patologia acomete membros inferiores, mas é fundamental investigar as causas e iniciar o tratamento adequado de modo imediato. 

Em geral, as patas anteriores são responsáveis por aliviar impactos, dar impulso e, ao correr, oferecem apoio para o peso do cavalo. Os sinais clínicos característicos dos tipos de claudicação em equinos são manqueira, como também é conhecida, diminuição do rendimento e desempenho em atividades físicas e dores. Isso tudo reduz a qualidade de vida e, em casos específicos, pode ser recomendado o sacrifício do cavalo. 

Em virtude dessas situações, é crucial os exames e avaliação precoce feita por médicos veterinários especializados em equinocultura. O diagnóstico dos tipos de claudicação em equinos envolve um protocolo para identificar alterações ou sinais que indiquem problemas anatômicos e fisiológicos. 

Também é ideal que seja feito o exame em movimento para perceber assimetrias no galope e trotado do cavalo de forma a investigar mudanças comportamentais. A cabeça do animal deve ser observada. Isso se deve ao fato de existir uma ligação com a postura. Além de observar o casco do cavalo.

Uma dos recursos que auxiliam na precisão do diagnóstico é o uso de exames de imagem, como o ultrassom. Essa técnica permite saber com detalhes como estão os membros do cavalo e, dessa forma, intervir de forma correta.

Médicos veterinários devem se aperfeiçoar na equinocultura. Para isso, conte com os Cursos de Diagnóstico de Claudicação em Equinos que garante aprendizado prático para essas duas técnicas fundamentais para a clínica médica e diagnóstico gestacional em éguas. 

Fonte: InfoEquestre; Escola do Cavalo; Shop Veterinário; Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Artigos Relacionados