O que é síndrome navicular em equinos? Entenda suas complicações!

  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
síndrome navicular em equinos

A síndrome navicular em equinos é uma enfermidade que afeta cavalos do mundo inteiro. Ela prejudica o desempenho desses animais causando dor, desconforto e claudicação crônica.

Por isso, é extremamente importante que ao surgimento dos primeiros sintomas medidas sejam tomadas para o estabelecimento do diagnóstico e do tratamento, antes que o caso se torne mais complicado e comprometa a vida do animal.

Infelizmente, o diagnóstico preciso da causa de algumas alterações relacionadas ao sistema locomotor de equinos ainda é um dos grandes desafios para os veterinários de equinos. Isso gera diversas dificuldades para que o tratamento específico e adequado seja realizado o mais precoce possível, como é o caso dessa síndrome.

Sabendo da complexidade e relevância do assunto, neste artigo vamos explicar o que é o problema, como diagnosticar e os principais tratamentos. Confira!

Entenda o que é a síndrome navicular em equinos

A síndrome navicular em equinos é uma doença degenerativa crônica e progressiva que atinge o osso sesamóide distal, conhecido simplesmente como osso navicular, devido a seu formato. 

Além do osso navicular, a enfermidade pode atingir a bursa navicular e tendões flexores, comprometendo o aparelho locomotor dos equinos.

Ela acomete quase que exclusivamente os membros torácicos causando alterações degenerativas na estrutura, composição e função mecânica da região. Mas também pode acometer os membros pélvicos.  

Normalmente afeta os equinos  com idade entre 3 e 12 anos de idade, sendo mais recorrente entre 7 e 9 anos.

A síndrome navicular apresenta uma predisposição racial, sendo as raças Quarto de Milha e Puro-sangue Inglês as mais afetadas. No entanto, a doença pode atingir todas as raças e tipos de equinos de serviço, sendo raramente observada em pôneis, equinos da raça árabe e de raças pesadas e não se manifesta em asininos e muares. 

Os cavalos que realizam trabalhos duros, como corridas, provas de laço, vaquejadas e prova dos barris, e/ou são submetidos às atividades em superfícies irregulares ou duras, têm maior probabilidade de apresentar a patologia. 

A causa exata desta doença ainda é desconhecida, mas acredita-se que a predisposição hereditária, manejo inadequado, ferrageamento irregular ou inadequado, desequilíbrios do casco e exercícios em superfícies duras, são fatores que interfiram na sua ocorrência. 

Equinos com síndrome navicular geralmente apresentam histórico de claudicação de membros anteriores progressiva, crônica, unilateral ou bilateral. A claudicação pode ser repentina, o que é mais comum, ou de início agudo. 

Um sinal muito recorrente é a mudança na postura do animal, visto que, com a dor, ele tende a manter um dos membros flexionados.

Como diagnosticar

O diagnóstico da síndrome navicular é baseado na anamnese, nos achados do exame físico, na anestesia regional seletiva e intra-articular, nos achados clínicos e epidemiológicos. 

Além disso, pode contar com os exames complementares de imagem diagnóstica como raio-x, Ultrassonografia e ressonância magnética. Esses são pouco utilizados, porém são essenciais para identificar a doença, já que a mesma possui sintomas muito semelhante a outras enfermidades ortopédicas e não conta com um exame clínico específico. 

Outro tipo de exame complementar na síndrome navicular em equinos é o bloqueio do nervo digital palmar.  Esse bloqueio serve para aliviar a dor, assim o cavalo vai andar um pouco melhor, porém a pata ainda vai pisar primeiro com a pinça. Já se o equino continuar com a claudicação o diagnóstico é negativo. 

Tratamentos

Diversos tratamentos são destinados a reduzir ou interromper a degeneração progressiva do osso navicular ou ainda para fornecer alívio a dor de forma paliativa. 

Como não existe um tratamento específico, ele geralmente envolve:

  • Períodos variáveis de repouso;
  • Cuidados com os cascos e colocação;
  • Ferradura corretivas;
  • Drogas para melhorar o fluxo sanguíneo;
  • Medicamentos anti-inflamatórios;
  • Drogas específicas para o tratamento da artrite e 
  • Cirurgias corretivas (em casos específicos).

A eficiência do tratamento vai depender de diversos fatores, incluindo a conformação do equino, seu uso, o tipo de caso e o período em que o tratamento foi iniciado.

A síndrome do navicular é considerada responsável por um terço das causas de claudicação e a mesma  pode representar o fim da carreira atlética de um cavalo, ou a perda de sua utilidade para equitação. Por isso, é fundamental que ela seja diagnosticada de forma rápida e segura para que o tratamento obtenha êxito. 

Se você tem interesse por essa área e deseja ficar preparado para atuar neste mercado cada vez mais exigente, conheça o Curso de Diagnóstico de Claudicação em Equinos do CPT Cursos Presenciais. Com essa capacitação você aprende na prática todos os protocolos de tratamento, realização do exame e diagnóstico das claudicações de forma objetiva e dinâmica.

Fontes:

Shop Veterinário, Escola do Cavalo, Portal do Agronegócio, UFCG, Nip Promove Unicesp, Revista FAIT  

  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Artigos Relacionados