Fique por dentro dos principais detalhes do Tétano em Cavalos

  •   
  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Tétano em cavalosO tétano em cavalos é uma enfermidade infecciosa, mas não contagiosa, é causada pela toxina da bactéria Clostridium tetani.

Essa doença é considerada altamente fatal por causar parada respiratória ou convulsão e se não diagnosticada e tratada com os devidos cuidados pode levar o animal a óbito em até dez dias.

Os cavalos são considerados os mais sensíveis entre as espécies domésticas.

Continue com a gente e entenda um pouco mais sobre a enfermidade.

Meios da transmissão do tétano em cavalos

A transmissão ocorre geralmente através da contaminação de feridas acidentais ou cirúrgicas, por esterco ou terra.

Os potros recém-nascidos estão sujeitos à infecção umbilical.

Após contaminar a ferida, se houver condições de anaerobiose, o esporo germina e o bacilo se multiplica liberando toxinas.

As feridas perfurantes têm maior facilidade de contaminação e desenvolvimento do agente, por promoverem maior anaerobiose.

O Clostridium tetani produz e libera as seguintes toxinas:

Tetanolisina: uma hemolisina que promove a evolução da infecção, aumentando a área necrótica e, consequentemente favorecendo a condição anaeróbica ideal para proliferação da bactéria.

– Tetanospasmina: responsável pelo desencadeamento da sintomatologia nervosa, e se espalha por todo o corpo e sistema nervoso central, através do sangue e migração axonal.

A incubação da doença ocorre no período de 7 a 14 dias podendo chegar a 1 mês. O período de incubação e os sinais clínicos são mais severos se a ferida for próxima ao sistema nervoso central.

Principais sinais da enfermidade

Os sinais clínicos mais comuns são:

– mastigação fraca e deglutição lenta e difícil;

– rigidez muscular;

– locomoção hesitante (andar envarado, duro, quase sem flexionar as articulações);

– protrusão da 3ª pálpebra;

– contração dos músculos da face;

– orelhas eretas e cruzadas (orelhas em tesoura);

– pescoço estendido para frente e a cabeça mais ou menos fixa;

– patas abertas e tesas, lembrando um cavalete (cavalo de pau);

– movimentos cada vez mais lentos até a imobilização total;

– intensa sudorese; respiração dispneica;

– espasmos generalizados e tremores musculares.

Depois dos primeiros sintomas a morte do animal ocorre entre 5 e 15 dias, já nos de evolução mais lenta em 15-20 dias, geralmente o animal se encontra em decúbito lateral e opistótono.

Técnicas de prevenção do tétano

A prevenção está associada principalmente à vacinação anual, mas está também relacionada a outros fatores como:

– utilizar soro antitetânico antes das intervenções cirúrgicas ou depois de ferimentos que possam facilitar a infecção;

– evitar o contato das feridas profundas com terra ou qualquer sujeira;

– cuidar da assepsia do instrumento cirúrgico;

– desinfetar, tão cedo quanto possível, feridas recentes do animal;

– eliminar os objetos pontiagudos que possam causar ferimentos acidentais.

Cuidados necessários e tratamento

O tratamento pode ser através do relaxamento muscular, administração de antibiótico e antitoxina, é necessário manter o equilíbrio hidroeletrolítico do animal.

A recuperação total é lenta, levando duas semanas ou mais. O prognóstico é bom, quando o diagnóstico e o início do tratamento forem definidos precocemente.

Quer ficar por dentro de mais informações sobre equinos?

Saiba que enfermidades como essa citada no conteúdo acima podem influenciar no desempenho reprodutivo do animal.

Confira: Eficiência na Reprodução Equina

Ah! Se você quer garantir maior segurança ao animal, vale a pena conferir também: Primeiros Socorros em Equinos

Fonte: Agro Mundo

Cavalos do Sul

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •   
  •  
Equinos

Atualizado em: 8 de outubro de 2018

Artigos Relacionados