Entenda as diferenças entre os principais tipos de irrigação

  •   
  • 19
  •  
  •  
  •  
irrigação

A irrigação é uma tecnologia fundamental na agropecuária brasileira. Ela tem como objetivo suprir as necessidades de áreas na qual a há uma baixa, má distribuição ou irregularidades de chuvas. Sendo assim, quando os sistemas de irrigação são bem implantados, eles favorecem o desempenho da cultura.

Entre os benefícios podemos citar a melhora da qualidade da produção e resultados ao longo do ano. Além disso, ela possibilita que a oferta de alimentos seja regular o ano todo e, cono consequência assegura um maior lucro aos agricultores. Entender o tipo ideal e as diferenças entre os sistemas de irrigação vai garantir os melhores resultados.

Hoje cerca de 40% de todo alimento que é produzido e consumido no mundo inteiro tem origem de uma área irrigada. Esse dado demonstra a importância e a eficiência de um projeto bem elaborado. Em contrapartida, produtores que ainda dependem exclusivamente do clima pode ter o sucesso de seu plantio comprometido!

O grande desafio frente a este cenário é usar um sistema de irrigação estabelecendo o plano de irrigação adequado. Caso contrário, Ou seja, poderá ocorrer grandes desperdícios de recursos hídricos utilizados, fazendo com que a atividade não seja sustentável. Por isso, elaborar um bom projeto e aplicá-lo demanda muito planejamento, monitoramento e, claro, a boa gestão.

Os inúmeros métodos e tipos de sistema podem dificultar na decisão do agricultor determinar qual é a melhor opção para sua cultura. Por isso, elaboramos esse artigo para mostrar as principais diferenças entre as técnicas e outros aspectos relevantes para a tomada de decisão.

Características dos sistemas de irrigação

1. Irrigação em Aspersão

Esta técnica utiliza grandes quantidades de gotículas no ar de um ou mais jatos de água. Em outras palavras, é uma simulação de uma chuva artificial direcionada, que jorra pequenas gotículas que serão absorvidas pelo solo. Mas, a aspersão não é viável em solos inclinados e é preciso um conhecimento aprimorado e técnico para implantá-la.

Já as principais vantagens da técnica de aspersão é que ela tem disponibilidade de adaptação às diversas culturas e topografias das regiões por não precisar de sistematização do terreno. No entanto, o alto custo de energia e o aumento das doenças causadas pelas folhagens úmidas estão entre suas desvantagens.

2. Irrigação por Microaspersão

Na irrigação por microaspersão são utilizados emissores que lançam gotículas de água em formato de chuva. Assim, proporciona uma precipitação mais suave e uniforme que aspersão.

A principal vantagem deste método é a facilidade na adaptação em diversas condições topográficas. Ainda mais, ela possui o desmonte fácil, o que pode ser útil nas mudanças sazonais. Desta forma, a microaspersão é muito indicada para diversas culturas. Mas, é utilizada principalmente em casas de vegetação, hortaliças, estufas, jardins, floriculturas e pequenas hortas.  

3. Irrigação Irrigação localizada

Com esta técnica a perda de água por evaporação é reduzida, pois a água é depositada diretamente nas raízes das plantas formando pequenos círculos ou faixas únicas. Então, por ser um sistema de baixa vazão, a água fica depositada em maior tempo é ideal para produção de frutas e vegetais.

Nas áreas mais secas, a irrigação localizada é uma das mais utilizadas. Entre suas vantagens podemos citar o baixo custo de energia e de água. Sem esquecer, da facilidade de adaptação aos mais variados solos. Porém, essa técnica tem um alto custo de implantação e há maior facilidade do entupimento das mangueiras.

4. Pivô central

É a irrigação feita por meio de uma torre, com uma estrutura suspensa que gira de forma circular para a parte superior da plantação. As torres podem se mover por meio de dispositivos eletrônicos. É comum aproveitar o sistema para a aplicação também de fertilizantes e inseticidas.

Seu uso é mais frequente em irrigação de plantações de feijão, soja e milho. Ficou interessado em conhecer um pouco mais esse método? Então, você não pode deixar de conferir esse super artigo: Pivô Central: Conheça as vantagens de seu uso na Irrigação

5. Irrigação superficial

Na irrigação superficial a água é conduzida do ponto de infiltração diretamente para a superfície do solo. Os sistemas de irrigação mais comuns para este tipo são as irrigações por sulcos ou por inundações. Ela é bastante utilizada na produção de arroz.

Entre as vantagen, podemos destacar os baixos custos de energia, implantação e manutenção. E mais, o método ainda não recebe a influência do vento. No entanto, sua desvantagem é o aumento da água parada, prejudicando as plantas e a dependência do da inclinação e erosão do solo e a erosão dos sulcos. Além disso, nesse método ocorrem perdas de água por percolação.

6. Fertirrigação

Basicamente, a fertirrigação consiste em uma técnica de aplicação simultânea de fertilizantes e água, através de um sistema de irrigação. É uma das maneiras mais econômicas e eficientes de aplicar fertilizante nas plantas. Pois, é aplicado menor quantidade do produto por vez e com maior frequência.

Com ela se obtém uma quantidade de nutrientes uniformes no solo, durante todo o ciclo da cultura. Por consequência, aumentará a eficiência dos nutrientes absorvidos pelas plantas e a produtividade.

A melhor técnica de irrigação é a mais rentável em longo prazo, apesar do custo de implementação. Inegavelmente, os sistemas acompanham os avanços tecnológicos do setor agrícola. Eles têm sido cada vez mais aprimorados e flexíveis para atender as necessidades do plantio de gerar produtos em maior quantidade e qualidade.

Fatores que influenciam na escolha do tipo de sistema de irrigação

1. Tipo de Planta

O primeiro item não poderia ser outro, pois antes de escolher a técnica de irrigação ideal é verificar para qual cultura agrícola ela será destinada. Por exemplo, culturas como melancia e arroz, o sistema mais utilizado é a irrigação por superfície. Já as plantações de feijão ou milho, comumente são irrigada por aspersão.

2. Características do solo

Como é do solo que as plantas retiram a maior parte dos nutrientes fundamentais para seu crescimento, para se ter uma cultura produtiva e saudável é necessário um cuidado particular com ele. Na irrigação, a característica que mais diferencia os solos é a velocidade de infiltração básica.Na prática, funciona assim:

  • Regiões com velocidade alta de infiltração, o método indicado é a aspersão;
  • Lugares com velocidade média, a maioria dos sistemas disponíveis atende a cultura;
  • Locais de baixa velocidade, grande parte dos agricultores utilizam a irrigação localizada.

Outro ponto que não podemos esquecer é a topografia da área irrigada. Visto que, dependendo da inclinação e relevo o custo da implementação de um determinado sistema de irrigação pode ser inviável.

3. Clima

Basicamente, a decisão do foco da sua irrigação é conduzida pelo clima. Nesse sentido, são os fatores climáticos que ditam se o sistema será de complementação (regiões com altos índices pluviais) ou necessário (áreas de ausência de chuva).

Só para exemplificar, regiões com ventos regulares e fortes a eficácia e conformidade da irrigação pode ser comprometida no método de aspersão. Por isso, nesses casos é mais aconselhável a utilização da irrigação localizada.

4. Água

Não podemos encarar a água apenas como um recurso da irrigação. Mas, um elemento principal para a produção de alimentos e por isso usá-la com responsabilidade. A água influencia e muito na escolha do tipo ideal de irrigação. Visto que, para determinação de qual método atende adequadamente sua cultura, fatores como a vazão e disponibilidade de água disponíveis são os pontos a serem considerados.

É indispensável que você saiba a quantidade de recursos hídricos necessários para a cultura durante o ciclo completo. Posteriormente, levar em conta a eficiência do sistema escolhido.

Desenvolvimento das técnicas de irrigação no decorrer dos anos

Ao longo dos anos as técnicas de irrigação foram sendo adaptadas. Isto é, o cultivo de determinadas espécies fora de seu ambiente original e depender apenas das chuvas fez com que o produtor rural sentisse necessidade de uma maior independência. Então, foi necessário o descobrimento de técnicas para manusear a água para que o resultado positivo da plantação não fosse tão dependente do clima.

Os investimentos nos sistema de irrigação surgiram baseados nessa questão, e estão diretamente relacionados às condições culturais, climáticas e do solo de cada região. Mas, ao longo dos anos os sistemas de irrigação foram se destacando e atualmente este trabalho é de extrema importância para a garantia de desenvolvimento da cultura e lucratividade.

Um sistema de irrigação correto faz com que o produtor tenha controle sobre sua cultura passando pelo seu domínio tanto a semente quanto a planta adulta.

Gostou deste artigo? Então, que tal garantir um conhecimento mais técnico sobre o assunto. Afinal, não adianta conhecer as técnicas de irrigação mais utilizadas pelos agricultores se você não tem conhecimento certo para aplicá-las na prática e garantir maior lucratividade no seu plantio, não é?

Clique no link abaixo e tenha um treinamento prático e individual com um dos melhores profissionais da área:

Cursos Presenciais na área de Irrigação

Fontes: Tecnologia do campo, Agrosmart e Pensamento Verde

  • 19
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Artigos Relacionados