Hormônios da reprodução bovina: Conheça os 7 principais e sua relação com IATF

  •   
  • 828
  •  
  •  
  •  

Os hormônios da reprodução bovina são substâncias que agem em mecanismos de ação específica dentro do organismo do animal. São eles os responsáveis pelo comportamento sexual, a gestação, lactação e o retorno ao cio, após o parto.

De modo geral, podemos explicar que os hormônios são substâncias que podem ter naturezas diversas (proteína, lipídeos e outros). Eles são produzidos em um tecido ou fonte, que atuam em outro tecido ou alvo, modificando a sua fisiologia e/ou morfologia.

Você conhece tudo que precisa sobre os hormônios da reprodução bovina?

Conhecer a ação de cada hormônio e como podem ser utilizados a favor da eficiência reprodutiva é essencial para aumentar a lucratividade. Por isso, para que você entenda ainda mais sobre o assunto, fizemos uma lista com os 7 principais hormônios relacionados à reprodução da fêmea bovina e como são manipulados na técnica da IATF.

Principais hormônios da reprodução bovina

Um ponto que não podemos ignorar é que a ação hormonal depende de estruturas, que são conhecidas como receptores, nas quais os hormônios devem interligar-se para exercer sua função. Geralmente, os receptores são moléculas compostas de carboidratos e proteínas, presentes nas células alvo.

Dependendo da fase reprodutiva que o animal se encontra, estas estruturas podem aumentar ou diminuir de quantidade, ou até mesmo estar ou não presentes em um tecido. Em outras palavras, a potencialidade da ação dos hormônios está mais ligada ao número de receptores do que à sua concentração sanguínea ou estrutura molecular. Veja os principais hormônios da reprodução bovina:

1. Hormônio Liberador de Gonadotrofinas (GnRH)

É produzido pelo hipotálamo, uma estrutura presente no sistema nervoso central. Sua principal função é o estímulo da liberação de gonadotrofina (FSH e LH) pela hipófise.

Esse hormônio hipotalâmico é liberado de modo pulsátil e, na fêmea, a sua freqüência e amplitude variam durante os estágios reprodutivos nas diferentes espécies.

2. Hormônio Folículo Estimulante (FSH)

Age principalmente nos ovários, e suas principais funções concentram-se no desenvolvimento folicular. Ele é responsável pela produção de estrógeno pelos folículos, produção de inibina por folículos em fase final de desenvolvimento e o aumento dos receptores para LH nos folículos. Ele é produzido pela hipófise, sendo secretado em resposta ao GnRH.

A principal função do FSH é promover o desenvolvimento do folículo
de Graaf no ovário. O FSH atua precocemente no desenvolvimento folicular e certamente para a formação do antro do folículo.

3. Hormônio Luteinizante (LH)

Dentre as suas principais funções podemos destacar a promoção da ovulação, formação do corpo lúteo e secreção inicial de progesterona. Ele é produzido da mesma forma que o FSH.

4. Progesterona

É um esteróide ovariano produzido pelo corpo lúteo. Suas principais funções estão ligadas ao relaxamento genital, principalmente do útero, o controle das secreções uterinas durante o início da gestação e inibição da secreção de GnRH.

Esse hormônio da reprodução é essencial na regulação de todo o sistema reprodutor feminino em diversas espécies. Para a IATF em bovinos, a progesterona realiza a função de estimulação de glândulas endometriais e crescimento das glândulas uterinas e mamárias. Além disso, nas vacas o progesterona apresenta variação cíclica durante o estro. Assim, para entender a regularidade do ciclo em uma fêmea, pode-se realizar a medição dos níveis de progesterona e fazer a comparação com o estágio do ciclo estral. Nesses casos, variações entre raças, idade e nutrição são importantes serem consideradas.

5. Estrógeno

As funções desse hormônio dentro e fora do sistema genital são a indução da conduta do estro (cio, ação no SNC), aumento da vascularização, contrações e secreções genitais e o controle da secreção de GnRH e gonadotrofina. É considerado um dos esteróides ovarianos e é produzido pelos folículos em desenvolvimento.

São sais conjugados de estradiol como valerato, benzoato e
cipionato têm ação luteolítica e se usados no final de um tratamento
progestogênico (período associado à baixa concentração de progesterona
circulante) estimulam, por retro-alimentação positiva, a secreção de GnRH e este, desencadeia o pico pré-ovulatório de LH, induzindo a ovulação.

6. Inibina

É produzido pelos folículos na sua fase final de desenvolvimento e tem, basicamente, a função sistêmica de bloquear a síntese do FSH na hipófise.

7. Prostaglandina

É produzido pelo útero e tem a função de provocar a regressão do corpo lúteo, com queda na produção de progesterona.

A administração desse hormônio no protocolo para IATF em bovinos tem a função de permitir a superovulação da vaca escolhida.

A rotina hormonal deve ser criada considerando o ciclo estral do animal e os objetivos desejados com o procedimento. Dessa forma, o profissional veterinário deve estar apto, não só para executar os processos, como também para reconhecer as condições fisiológicas dos animais que serão utilizados.

Agora que você já sabe os principais hormônios da reprodução bovina, que tal dar um passo além? Pois, não adianta você conhecê-los se não souber o momento correto para a monta ou a inseminação, não é mesmo? Então, confira o próximo tópico, porque é justamente sobre isso que iremos abordar!

Qual o momento ideal da inseminação artificial ou monta?

Antes de responder essa questão, é preciso saber a identificação correta do cio da vaca. Pois, o momento ideal para que a fêmea bovina seja coberta ou inseminada é ao final do estro. Por exemplo, vacas observadas em estro, ou seja, que aceitam a monta, pela manhã devem ser inseminadas na tarde do mesmo dia. Já os que apresentarem estro à tarde devem ser inseminados na manhã seguinte.

A observação do cio é muito importante e uma falha que pode impedir um bom desempenho reprodutivo. Então, o momento ideal tanto para cobertura quanto para a aplicação das biotecnologias reprodutivas depende diretamente do ciclo estral, fase em que a fêmea está apta e receptiva sexualmente.

As principais características do estro são:

– Mugidos

– Inquietação

– Cauda erguida

– Micção frequente

– Redução do apetite

Quer saber como identificar o ciclo estral em vacas? Então, você não pode deixar de conferir esse artigo:

Ciclo estral em vacas: Primeiro passo para eficiência reprodutiva do rebanho

Além da identificação dele, ainda existem algumas estratégias que podem aumentar a taxa de prenhez do rebanho. Quer saber quais são? Continue lendo esse artigo.

IATF e a utilização de hormônios

A inseminação em tempo fixo em bovinos – IATF é uma biotécnica reprodutiva para suprir as deficiências apresentadas pela inseminação artificial convencional. As principais dificuldades encontradas por médicos veterinários que atuam na área é determinar o momento exato em que a fêmea entra no cio e a capacidade de atingir fêmeas em anestro. Ou seja fêmeas que estão em um período do ciclo estral sem atividade sexual. 

O procedimento se baseia na sincronização dos períodos férteis das fêmeas bovinas por meio da manipulação dos hormônios da reprodução bovina, para inseminar o maior número e animais em horários agendados.  com uma boa taxa de concepção.

Para que aconteça a sincronia dos cios são utilizados hormônios que não prejudicam a saúde do rebanho. Afinal, são substâncias semelhantes ou iguais as que participam do processo fisiológico do aparelho reprodutivo da fêmea. Também não interferem em cios futuros, mesmo que não haja nova utilização do protocolo. 

Os hormônios utilizados são os mesmos citados no item acima. Para manipulá-los com segurança, é preciso ter conhecimento no assunto.

Como aumentar a eficiência reprodutiva do rebanho bovino

Um dos principais pilares para elevar os índices de prenhez é proporcionar ao rebanho uma boa nutrição. Sem dúvidas, o manejo nutricional deficitário é uma das causas mais comuns falhas na reprodução bovina.

Se o animal apresenta alguma deficiência nutricional, seu organismo executa ações apenas consideradas como prioritárias para sua sobrevivência e deixando a reprodução de lado. Para te ajudar ainda mais, veja esse artigo: Manejo nutricional: Dicas preciosas para alimentação do seu rebanho bovino

Viu como a alimentação influencia diretamente no desempenho do seu rebanho bovino? Por isso, você precisa se preocupar com a formulação de uma dieta ideal. Assim, além do animal cumprir com suas atividades ainda vai tornar o sistema de criação economicamente viável.

Já para você que quer aprofundar seus conhecimentos na área de reprodução bovina, que é um mercado de valorização profissional! Melhore seus resultados e seu currículo com essa dica:

Curso de Inseminação Artificial em Tempo Fixo – IATF

Fontes: Apostila CPT Cursos Presenciais, UFRGS e Portal Agropecuário


  • 828
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Artigos Relacionados